João tem acompanhado de perto o cenário da pandemia e confia que vacina chega em janeiro

O governador João Azevedo (CIDADANIA), mostrou-se eufórico e confiante na sua fala aos paraibanos hoje no seu programa semanal, sempre as segundas, quando anunciou a expectativa de contar com a vacina já em janeiro a partir do dia 21.

João tem acompanhado de perto o cenário da pandemia

De tão confiante, o governador pediu a Justiça emprestado o avião apreendido em Catolé do Rocha carregado de cocaína para acelerar e agilizar a distribuição do medicamento.

João Azevedo tem feito o dever de casa em relação a pandemia e toda força tarefa se encontra apta para a distribuição da vacina assim que ela chegar ao estado.

De tão azeitado esse contingente da saúde se encontra preparado para distribuir as primeiras doses em 24 h nas principais regiões da Paraíba.

João tem acompanhado diuturnamente os boletins médicos sobre a pandemia e essa vigilância tem contribuído para manter sobre controle o coronavirus, já ue todos estão cientes de que, o governador espera respostas imediatas.

A Paraíba recebe as primeiras doses da vacina contra a Covid-19 no dia 21 de janeiro. A declaração foi dada durante o programa ‘Fala, Governador’.

“A nossa expectativa é que no dia 21 de janeiro tenhamos na Paraíba a chegada das primeiras vacinas para mais rapidamente, em 24 horas, iniciar a distribuição para todos os municípios”, disse.

Ele revelou que o Estado pediu à Justiça para utilizar o avião apreendido no Estado com cocaína, em Catolé do Rocha. A aeronave, de grande porte, deve trazer agilidade à distrubuição.

“A Paraíba esta pronta. A Secretaria de Saúde já elaborou um plano de vacinação para sua logística de distribuição, colocaremos caminhões, aeronaves. Solicitamos à justiça para utilizar esse avião apreendido em Catolé do Rocha transportando drogas, avião de maior porte. É preciso que a gente possa vencer esse momento”, destacou.

Azevêdo comentou ainda os trâmites burocráticos que faltam ser realizados para a chegada da vacina à população. O país tem capacidade de produzir 80 milhões de doses por mês, disse.

“O Brasil tem todas as condições de implantar uma campanha de vacinação eficiente pela estrutura que tem, de mais de 30 mil postos de vacinação, e que termos na Fiocruz uma capacidade de produção de 20 milhões e podendo chegar a 30 milhões de doses da vacina Oxford-Astrazeneca, e no Instituto Butantan de produzir 30 milhões por mês. No dia 30 de janeiro, inicia a produção da vacina Sputnik, de produzir 20 milhões por mês. Está faltando as autorizações entre fabricante e Anvisa”, revelou.

Redação/ assessoria