Terminália: Violência recrudesce no Estado enquanto a PM apaga o lampião e derrama o gás em forrobodó no Conde

Enquanto a Polícia Militar acabava uma festa em uma granja no Conde onde presumia-se havia farta quantidade de drogas e presenças de pessoas envolvidas com o tráfico – e ao mesmo tempo produzindo material publicitário para demonstrar eficiência -, o mundo vinha abaixo em outros locais da região metropolitana e pelo menos 6 pessoas foram alvejadas num descompasso de ocorrências policiais, que expõe a realidade que se procura ocultar com pirotecnia.

No Bairro dos Estados, bairro nobre se morre com tiro de 12

Os homicídios ocorridos em Aroeiras, onde dois motoqueiros foram mortos, provavelmente num confronto entre quadrilhas pelo controle do tráfico na fronteira entre Pernambuco e Paraíba, não contou com a interferência da Operação Terminália entretida em acabar o forrobodó do Conde.

No litoral Norte, um rapaz conhecido como Valtinho foi morto a tiros na Comunidade da Carrapeta na cidade de Lucena.

Informações policias indicam que os assassinos chegaram e dispararam em direção à vítima que não teve tempo de se proteger, os bandidos fugiram em destino ignorado.

Em Lucena a cena se repete numa monotonia que já não incomoda

Simples assim, sem maiores detalhes sobre o assassinato, provavelmente porque a Terminália não encontrou tempo para se deslocar até o local. Morre-se na PB com muita naturalidade mesmo que de forma trágica e violenta.

No Bairro dos Estados mais um assassinato neste domingo. O autor e motivo do homicídio não foram revelados, até a noite deste domingo. Nenhum suspeito foi detido, com certeza, porque a Polícia estava ocupada em filmar para o seriado Terminália, mais uma produção dos estúdios cinematográficos do delirante comandante geral.

No Cristo Redentor a violência atingiu pai e filho, alvejados com disparos depois de uma perseguição pelas ruas do bairro. Os dois tentaram se proteger em um posto de gasolina na rua Rainery Mazzili. O filho não resistiu aos disparos e o pai foi socorrido pelo Samu e não se sabe sobre seu estado de saúde.

No Rangel, pai e filho são alcançados pelas balas

Todo esse pandemônio e a Policia Militar acabando uma festa no Conde, o que termina por revelar a falta de planejamento de ações, exibidas apenas com o intuito de gerar publicidade.

O que torna mais estranho é que toda essa violência vem sendo omitida pelos meios de comunicação na internet onde só a pauta positiva é exibida.

Esse caos vem transformando Governo de João numa pandemia de desacertos na área da segurança pública e apontaria para fatos mais graves, que passariam pela falta de determinação de mudanças no aparelho policial.

A pirotecnia herdade do Governo passado permanece e nada mudou dentro do sistema: velhas e cansadas mentalidades sobrevivem de forma estranha, suspeita e imunes às remoções que o setor exige.

Há quem acredite em sabotagem – aquela que o próprio João denunciou em passado recente e que, a aproximação das eleições municipais parece estar impulsionando para que se possa ter material para as inevitáveis comparações entre gestões.

Não seriam essas teminálias para solucionar o vazio de ideias e capacidade propiciado pela mediocridade ululante instalada nos cargos estratégicos do Sistema de Segurança e que se mantém de forma inexplicável e acintosa diante desse cenário de horrores, que a pirotécnica não é capaz de apagar.

Essa complacência do governador para com os monturos do PSB, ainda pulsando dentro de sua gestão já causa perplexidade e começa construir uma sensação de que, ou João é parte da quadrilha ou teme a quadrilha Girassol.

Polícia acaba festa com 600 pessoas, apreende armas e drogas e prende três suspeitos na região metropolitana de JP

Festa ocorria no Loteamento Mata D’água, no município de Conde, região metropolitana de João Pessoa

A Polícia Militar encerrou neste domingo (5) uma festa que ocorria no Loteamento Mata D’água, no município de Conde, região metropolitana de João Pessoa. Na ação, três armas de fogo e diversos tipos de entorpecentes foram apreendidos, sendo três suspeitos detidos.

Sobre a festa

Após receberem informações de que uma festa ocorria em uma granja no município de Conde, e que nela estariam presentes indivíduos relacionados a organizações criminosas e torcidas organizadas, foi articulada uma operação policial denominada “Terminália”, que contou com a participação de policiais da 1ª CIPM, em conjunto com a Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Guarda Municipal e outros órgãos da prefeitura.

Polícia treinando para filmar no Conde

Ao chegarem no local, as equipes se depararam com cerca de 600 pessoas se confraternizando e, ao perceberem a presença da Polícia Militar, houve grande correria e fuga, mas foi possível controlar a ocorrência sendo feitas buscas a pessoas e a varredura no local, que culminaram na apreensão de quase 300 unidades de entorpecentes, entre maconha, loló, cocaína, ecstasy, LSD e crack; e na apreensão de três armas de fogo, sendo dois revólveres calibre 38 e uma pistola calibre 380.

Foram lavrados diversos termos pelos órgãos competentes, relativos às irregularidades do evento. Todo o material apreendido e os suspeitos foram conduzidos à delegacia de Alhandra.

Mais – “Terminália” foi um festival da antiga Roma em tributo ao Deus Término, que era a divindade tutelar das fronteiras. A operação faz parte de um conjunto de ações realizadas pela Polícia Militar para fazer cumprir as medidas restritivas de combate à disseminação do novo coronavírus e prevenir e combater crimes contra a vida, contra o patrimônio e tráfico de drogas.

Redação e portais