Secretaria de Educação realiza formação com novos convocados no processo seletivo para cuidadores

A Secretaria de Educação e Cultura de João Pessoa (Sedec-JP) está realizando, nesta quarta-feira (11), nos turnos manhã e tarde, o encontro formativo para 200 Educadores Sociais Voluntários convocados na segunda chamada do Processo Seletivo Simplificado para Cuidadores. A formação acontece na Escola de Formação/Cecapro, na Avenida Beira Rio, pela Divisão de Educação Especial (DEE) da Divisão de Ensino, Gestão e Escola de Formação (Degef). A abertura contou com a presença da secretária de educação municipal, América Castro.

“Lembro de quando eu era professora de sala de aula e fazia a chamada dos alunos sempre tinha aquele, com algum tipo de deficiência, que não podia ir para escola porque lá não teria um cuidador para ele. Essa realidade estamos mudando dentro das nossas escolas da rede e vamos fazer isso diferente graças a ajuda de cada um de vocês, cuidadores e cuidadoras”, disse a secretária.

O Programa Educador Social Voluntário tem como principal objetivo contribuir com a garantia de acesso e a permanência com qualidade e equidade dos alunos público-alvo da Educação Especial da Rede de Ensino de João Pessoa.

A palestra de formação foi comandada pela diretora do DEE, Profa. Dra Rejane Maria de Araújo Lira.

A Política de Educação Municipal de João Pessoa (2021-2024) destaca que a educação especial e inclusiva, organizada como uma política de governo se respalda na compreensão de que todas as crianças, jovens e adultos devem ter a garantia do direito à educação, com respeito às diferenças.

Edilma Miguel da Silva Nunes é uma das cuidadoras selecionadas e ela sabe o que representar ser uma cuidadora voluntariada. “Ser cuidador é acolher cada criança dessa como se fosse um filho. Elas estão ali durante boa parte do dia sem a presença dos pais, da família, e nós temos que passar essa confiança para eles”, falou com alegria.

Atribuições – Os cuidadores voluntários prestarão auxílio diretamente ao estudante que possua qualquer deficiência física, intelectual, transtorno global do desenvolvimento e altas habilidades e superdotação, assistindo-o quanto aos cuidados básicos de alimentação, higiene, locomoção, recreação e organização das condições do ambiente escolar, para realização das atividades escolares orientadas pelo professor.

Deverá também acompanhar e prestar auxílio ao estudante durante as atividades pedagógicas, para que possam realizar as atividades cotidianas e as propostas pelos professores durante as aulas e extraclasse, visando assim sua efetiva participação pedagógica na unidade educacional na escola ou Crei.