Paraíba confirma mais seis casos de Monkeypox

A Paraíba chegou ao sétimo caso de Monkeypox, varíola dos macacos, confirmados nesta segunda-feira. De acordo com dados da Secretaria de Estado da Saúde (SES), os seis casos confirmados na última atualização são do sexo masculino, sendo cinco residentes em João Pessoa e um em Cabedelo. Três pacientes apresentaram histórico de contato com pessoas com passagem por São Paulo, estado com maior circulação do vírus. Nenhum dos pacientes foi hospitalizado e seguem em monitoramento pelas vigilâncias municipais de saúde. (Via jornal A União)

Entre os novos casos confirmados, quatro possuem de 30 a 39 anos e dois entre a faixa etária de 40 a 49 anos. O primeiro caso confirmado ocorreu em 4 de agosto, acometendo uma mulher residente em João Pessoa de 20 a 29 anos.

As notificações já ocorreram em 31 dos 223 municípios paraibanos, sendo 17 deles com casos aguardando o diagnóstico. João Pessoa concentra a maioria dos registros em investigação, com 26 pacientes aguardando diagnóstico, além de 35 casos descartados e seis confirmados. Também apresentam casos em investigação os municípios de Cabedelo (quatro casos); Santa Rita e Picuí (dois casos cada); Belém, Boqueirão, Cajazeiras, Guarabira, Gurinhém, Itatuba, Lucena, Marizópolis, Nova Palmeira, Pilar, Princesa Isabel, Pedro Régis e Soledade (um caso cada). Sousa, Campina Grande, Araçagi, Belém, Coremas, Cruz do Espírito Santo, Gurinhém, Ingá, Lagoa Seca, Mamanguape, Massaranduba, Mogeiro, Monteiro, Mulungu, Nova Palmeira, Rio Tinto, Santa Rita e São João do Cariri tiveram descartes de casos suspeitos.

Todas as amostras foram enviadas pelo Laboratório Central de Saúde Pública da Paraíba (Lacen-PB) para o laboratório da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro. Em função da alta carga de casos suspeitos em todo o país, concentrados no laboratório, o diagnóstico é postergado A última atualização com elucidação de casos ocorreu nesta quinta-feira.

A maioria da população acometida entre os casos em investigação tem de 20 a 29 anos, com 16 casos em investigação, 21 já descartados e um confirmado. As faixas etárias de 10 a 19 aparecem na sequência com 13 casos em investigação e 10 descartes. Crianças de zero a nove anos também aparecem na lista com cinco casos em investigação e três descartes. Entre o público de zero a nove anos são seis em investigação e quatro descartados. Seguido pela população de 30 a 39 anos que investiga cinco casos, com 11 descartados e quatro confirmados.

A SES indica que os pacientes que apresentem sintomas busquem atendimento primário em Unidades Básicas de Saúde (UBS) ou Unidades de Pronto Atendimento (UPA), onde serão orientados sobre os cuidados para evitar a transmissão, os cuidados e haverá o recolhimento das amostras para o diagnóstico. Após a notificação, os casos suspeitos e confirmados devem manter-se em isolamento domiciliar com acompanhamento das vigilâncias epidemiológicas municipais.

A Varíola dos Macacos é uma doença viral transmitida pelo contato próximo com uma pessoa infectada, seja por gotículas, contato físico com as lesões na pele ou com o vírus instalado em alguma superfície, como toalhas e outros objetos compartilhados. Os sintomas comuns são lesões na pele, febre, dor de cabeça, dores musculares, dor nas costas, gânglios (linfonodos) inchados, calafrios e exaustão.

Transcrito do jornal A União