Ministério Público da PB pode tomar Medalha José Américo de Almeida concedida ao ex-governador Ricardo Coutinho

O sempre atento e diligente advogado José Espínola da Costa, escrivão de Polícia aposentado, deu entrada no Ministério Público com um pedido de providência ao Colegiado de Procuradores para tomar a Medalha José Américo de Almeida na categoria Alta Distinção e o Certificado concedidos ao ex-governador Ricardo Vieira Coutinho.

Documento protocolado na secretaria do MP/PB

No seu pedido de providências, Espínola alega que pelos acontecimentos revelado pela Operação Calvário onde e quando a sociedade ficou sabendo que o ex-governador era na verdade chefe de quadrilha, a homenagem perde sua razão e seu objetivo que é o de agraciar quem de fato prestou relevantes serviços ao órgão e a sociedade paraibana.

Nas sua alegações Espínola argumenta que Ricardo denegriu a imagem do MP

Além do mais, no seu pedido de providências o advogado alega que, nos áudios vazados na Imprensa Ricardo usou termos depreciativos contra o MP e contra procuradores, dizendo ser vítima der chantagem e de outros procedimentos condenáveis, com imputações que denigrem a imagem da instituição e de servidores.

Ricardo na audiência de custódia acusado de chefiar organização criminosa

O pedido foi protocolado nesta terça-feira (7) na secretaria do Ministério Público encaminhado ao procurador Francisco Sagres, que recebeu o pedido e comprometeu-se encaminhá-lo à apreciação do colegiado em caráter de urgência.

De acordo com o estatuto do MP apenas um membro do colegiado de procuradores pode solicitar a supressão da homenagem, respaldado em ações condenáveis praticadas pelo contemplado com a medalha, que desvirtuem os objetivos maiores da instituição, como teria ocorrido no caso do ex-governador preso e recolhido às celas, identificado pela Justiça como chefe de organização criminosa.