Leitos desocupados em Taperoá foram requisitados para reforçar hospitais de campanha

A respeito dos acontecimentos em Taperoá envolvendo a requisição de leitos que, segundo informações vindas daquela cidade causou “indignação”, a Secretaria de Saúde distribuiu nota refutando as críticas e esclarecendo os fatos a partir de nota que publicamos abaixo:

Secretaria de Saúde esclarece que equipamentos do hospital de Taperoá não estavam sendo usados e depois serão devolvidos

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) tem realizado todos os esforços necessários e contado com a solidariedade dos paraibanos e paraibanas para garantir o atendimento às pessoas diagnosticadas com o coronavírus. Para se antecipar a uma provável demanda de internações em leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e de enfermarias para os casos da Covid-19, a gestão hospitalar do Estado decidiu pela realocação temporária de dez leitos e três ventiladores pulmonares do Hospital de Taperoá, que não estavam sendo utilizados devido à suspensão das cirurgias eletivas, conforme recomendação do Ministério da Saúde.

A SES assegura que o atendimento à população do município na referida unidade hospitalar não sofrerá nenhum tipo de prejuízo, pois a equipe de profissionais mantém o compromisso de prestar um atendimento qualificado a todos os cidadãos. Além disso, todos os equipamentos emprestados irão retornar ao Hospital de Taperoá tão logo a epidemia de coronavírus seja superada no Brasil e na Paraíba, como atesta documento assinado pelo secretário de Saúde, Geraldo Medeiros.

O Governo da Paraíba tem trabalhado, de forma incessante, para ampliar o número de leitos para casos do novo coronavírus e adquirir tanto respiradores, quanto Equipamentos de Proteção Individual (EPI) aos profissionais de Saúde, que têm atuado na linha de frente do combate à doença. Para tanto, o Hospital Solidário já está sendo montado no estacionamento do Hospital Metropolitano, em Santa Rita, e novos leitos estão sendo equipados para suprir a possível demanda, tanto na Capital paraibana, quanto em Campina Grande, onde serão realizados os atendimentos de alta complexidade.

A SES também informa que o Plano de Contingência Estadual da Paraíba, que tem como objetivo evitar casos graves e óbitos, já está em andamento, bem como a Central Estadual de Regulação de Leitos para Covid-19, para garantir o fluxo de transferência de pacientes para os Hospitais de Referência, que estão distribuídos por macrorregião de saúde, sendo o Hospital Clementino Fraga, Santa Izabel e Hospital Municipal do Valentina na primeira Macro, em João Pessoa, que concentrarão essas internações. Na segunda Macrorregião, o Hospital Pedro I e o Hospital de Emergência e Trauma Dom Luís Gonzaga Fernandes, em Campina Grande; e no Sertão e Alto Sertão, os hospitais Regionais de Cajazeiras, Pombal, Regional de Patos e o Infantil Noaldo Leite, também em Patos, garantindo, dessa forma, atendimento e, caso necessário, o deslocamento seguro dos pacientes.

A Secretaria de Estado da Saúde ainda disponibiliza quatro números para plantão de dúvidas da Vigilância em Saúde e Hospital Clementino Fraga, cujo atendimento é realizado por especialista da área (99146-9790; 99146-9250; 99147-0810 e 98823-6186).

A SES pede a compreensão e a solidariedade de todos na busca pela disponibilização da melhor assistência especializada aos paraibanos de todas as regiões do Estado.