INVESTIGAÇÃO Justiça decreta prisão de sobrinho de Expedito Pereira e mais dois suspeitos da morte do ex-prefeito de Bayeux.

A Justiça da Paraíba decretou a prisão, nesta quarta-feira (16), do sobrinho e mais duas pessoas suspeitas da morte do ex-prefeito de Bayeux, Expedito Pereira, no dia 09 de dezembro de 2020. O mandato foi expedito nesta quarta-feira (16) pelo juiz Marcos Willian de Oliveira, da 1ª Vara do Tribunal do Júri de João Pessoa.

Expedito Pereira foi assassinado no dia 09 de dezembro de 2020, na Avenida Sapé, no bairro de Manaíra, em João Pessoa.

O mandado foi emitido para Ricardo Pereira – sobrinho de Expedito Pereira -, Gean Carlos, que trabalhou na campanha de Ricardo ao cargo de vereador nas eleições de 2020 em Bayeux e Leon, que já está preso desde sábado (12), mas pelo crime de estelionato e cujo mandado em aberto em vigor desde 2016.

O que já está preso confessou ter usado a moto no dia do crime. Ricardo Pereira se apresentou na tarde da última segunda-feira (14) e foi orientado pela defesa ficar calado. Gean Carlos compareceu, junto com seu advogado, no início da tarde de ontem. Também permaneceu calado ao ser questionado pelo delegado responsável pelo caso, Victor Melo.

Expedito Pereira foi assassinado no dia 09 de dezembro de 2020, na Avenida de Sapé, no bairro de Manaíra, na Capital. Conforme o ClickPB, apurou, além de prefeito de Bayeux, também foi vereador da mesma cidade e deputado estadual. Ele era médico gastroenterologista e clínico geral.

Ainda foi secretário municipal de Saúde de Santa Rita (1986-1988). Como vice-prefeito de Bayeux (1989-1993, PMDB), assumiu o mandato de prefeito em 1992 após a morte de Lourival Caetano. Prefeito eleito por dois mandatos de Bayeux (1997-2000, PRP-PB; 2001-2002, PMDB-PB). Suplente na legislatura 2007-2011, assumiu o mandato de deputado estadual em março de 2009 na vaga de Iraê Lucena, nomeada secretária estadual de Ação Governamental.

Por Aline Martins