Advogado é alvo de ameaças como retaliação a sua atuação profissional

Mudam as caras e os nomes, mas não mudam os métodos; e os sacriPANTAS de todos os matizes continuam se esforçando para conter a enxurrada de denúncias que jorram na Justiça e na Imprensa e agora também nas redes sociais contra eles.

Não poderia ser diferente em Santa Rita onde a atuação de um jovem advogado, João Aves Filho, vem jogando luzes nas maracutais supostamente promovidas pelo Prefeito Emerson Panta e seus asseclas, cuja repercussão ultrapassa as fronteiras do munícipio e retira a máscara de probidade que o edil gosta de usar e ostentar.

As denúncias de João Alves Filho são de uma robustez que já levaram alguns espertalhões excursionarem pelos corredores da Justiça e pelos labirintos das prisões depois de se esbaldarem com o dinheiro público em destinos turísticos, os mais requintados e menos insalubres.

Essa trajetória de defesa intransigente da moralidade pública tem incomodado setores mais escabrosos das gestões mais escabrosas e rendido retaliações ao causídico que resolveu se precaver e se antecipar a supostas armadilhas que estariam sendo urdidas em gabinetes municipais da prefeitura da terra dos canaviais, o que seria
uma sórdida tentativa de denegrir a reputação do combativo advogado.

Ele protocolou denúncias na esfera da Polícia como também nos setores competentes da Ordem dos Advogados para se proteger de qualquer investida criminosa or parte de seus desafetos como se pode constatar na matéria que o Jampa News transcreve abaixo:

Advogado pede na Polícia e na OAB providências para evitar “trama” contra a vida dele “armada” por pessoas ligadas a Panta

O advogado João Alves, conhecido em toda a Paraíba pelas inúmeras denúncias de improbidade administrativa, desrespeito com a população, entre outras, feitas contra o prefeito do município de Santa Rita está sendo alvo de uma possível trama na tentativa de denegrir a imagem e macular a honra e a vida dele por parte de pessoas do rol de amizade do prefeito Emerson Panta.

O advogado decidiu fazer na noite desta quarta-feira, 7, uma Certidão de Registro de Ocorrência Nº 027482.01.2021.0.00.704, na Delegacia On Line da Delegacia Geral de Polícia Civil notificando que na noite de ontem, (07/04/2021), por volta das 22h, ele e mais algumas outras pessoas, que irão servir de testemunhas posteriormente, se for o caso, estavam nas proximidades da casa e do escritório profissional dele, localizados no mesmo endereço, em Santa Rita, presenciaram conversas em uma roda de pessoas ligadas ao prefeito onde compartilhavam alguns vídeos de “lives” feitas pelo advogado João Alves nos últimos dias.

O advogado ainda solicitou a Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Paraíba (OAB/PB), que determine a remessa da documentação ao delegado titular da delegacia de Santa Rita e que solicite, diante de todos os fatos, a remessa de toda documentação a Secretaria de Segurança Pública, solicitando a disponibilidade de um agente da segurança pública e/ou uma atenção direcionada ao caso, tudo objetivando a preservação da vida dele.

O advogado João Alves também requereu ao presidente estadual da OAB/PB, advogado Paulo Maia, que também fosse determinada a remessa dos autos da solicitação ao delegado Allan Murilo Terruel, responsável por investigações do Gaecco, para acompanhar o caso, uma vez que naquela delegacia tramita inquérito policial que objetiva a apurar ameaças direcionadas ao advogado, na época das prisões dos vereadores de Santa Rita, na deflagração da Operação Natal Luz.

No documento da polícia, consta que o advogado teve relatos de pessoas próximas que poderão ser testemunhas, se necessário for, informando que pessoas da gestão Panta estariam tentando de todas as formas criar problemas, embaraços, processos, procedimentos e etc., para o advogado na OAB, pois. Essas pessoas seriam possuidoras de amizades de advogados inúmeros, fortes e de grande influência na Ordem e que poderiam prejudicar, julgando, dessa forma, as representações e processos diversos desfavoráveis a João Alves.

“Fiz constar no BO que a OAB/PB é uma instituição séria e competente, Seus representantes não se passariam para isso. Mas por precaução, data vênia, registro essa hipotética situação para fins de se documentar e dar conhecimento à minha instituição, desde logo, dessa futura armação criminosa contra este modesto advogado”, alertou.

O advogado prefere neste momento não mencionar os nomes das pessoas que estavam com ele para não atrapalhar qualquer investigação ou ação a ser ajuizada. Segundo consta na documentação da delegacia e da OAB, enviada por João Alves, as pessoas aliadas ao prefeito Panta estariam falando de uma trama, armação ou ação contra ele, por parte do prefeito, de seus assessores, comissionados e aliados.

João Alves, que é na atualidade o advogado que mais apresentou denúncias contra o prefeito da cidade de Santa Rita e contra os vereadores, está temeroso com o que possa acontecer nos próximos dias, uma vez que ele ouviu que essas pessoas apontavam para um suposto plano. Seria uma trama do Dr. Emerson, prefeito da cidade, e dos subordinados dele, diante de pseudas “provas” contra o advogado que eles estariam armando.

“Conforme os relatos ouvidos, o prefeito Emerson Panta, juntamente com os seus aliados, estaria armando contra a minha pessoa e que tudo o que eu estava fazendo (denúncias baseadas em provas) não iria ficar barato, isto é, de graça”, relatou o advogado João Alves.

Ele acrescentou dizendo que, sob tal ótica, toda essa insatisfação se dá por causa das denúncias e “lives” que ele tem feito. O advogado também registrou na Polícia que há mais ou menos dois meses teve o celular e notebook “rackeados” por pessoas desconhecidas e que até o presente momento.

“Por causa do incomodo, o prefeito, os secretários, assessores e seus comissionados, estariam armando essa trama contra a minha pessoa. Logo, se entende que a situação é gravíssima, pois não sabemos o mal que eles estão tramando. Não sabemos, por certo, se vão tentar denegrir a minha imagem nas redes sociais com áudios, vídeos e/ou publicação de qualquer material fraudulento, tentando ferir, portanto, a minha honra, podendo também, tal ação que parece estar sendo orquestrada ter a finalidade de colocar em risco até a minha própria vida”, teme o advogado.

Redação com Fatos PB