João dá um cala boca em Michele Ramalho, presidente da FPF

Um evento da magnitude de uma Copa América só chegaria à Paraíba na esteira de uma tragédia como a pandemia ou por efeito da bajulação deslavada de quem não mede as consequências de seus atos como parece ser o caso dessa senhora que ocupa a presidência da Federação Paraibana de Futebol, Michele Ramalho.

Michele cortejando o presidente

Num arroubo de vassalagem, Michele jogou aos pés do presidente mais patético da história republicana desse país, o esforço concentrado que tem sido feito pelo Governo do Estado para manter sob controle o flagelo da pandemia ao oferecer o estado para sediar um dos grupos da Copa América

Não tem sido fácil manter sob controle a violência renovada de um vírus que se transmuda em ritmo acelerado cada vez mais contagioso para que se pense em eventos da magnitude de uma Copa América a não ser que a insensatez tenha tomado conta de tudo além da FPF

Mas como não tomou surge a voz sensata do governador João Azevedo para pôr as coisas em seus devidos lugares e dizer que neste momento delicado a Paraíba precisa de mais vacina e empenho para manter a pandemia sob controle.

Leiam a matéria que transcrevemos do site A Palavra do jornalista Marcos Marinho:

João Azevedo dá “cala boca” em Michelle Ramalho e diz a Bolsonaro que Paraíba não quer Copa América mas vacinas em quantidade e celeridade

Já pavimentando a sua campanha a deputada federal, com aval do Presidente Jair Bolsonaro, de quem além de fã incondicional reza pela mesma carteira negacionista as 24 horas do dia, a advogada Michelle Ramalho, presidente da Federação de Futebol da Paraíba (FPF), correu hoje a enviar ofício da entidade informando ao Chefe da Nação que a Paraíba (no caso a federação que dirige) apóia e está aberta para receber delegações e jogos da Copa América em seus estádios.

Do ponto de vista prático e legal o documento da jovem campinense, e nada, significam a mesma coisa, valendo tão somente para que se aquilate o grau de servilidade dela para com a maior autoridade da Nação.

Mas os paraibanos, que desaprovam a esdrúxula decisão do Brasil sediar uma Copa das dimensões da América, com mais de 10 delegações estrangeiras e a necessidade de um aparato sanitário e de segurança de igual tamanho ao de uma Copa do Mundo, em pleno momento gravíssimo de uma pandemia que já matou no País mais de 500 mil cidadãos, podem se tranquilizar porque a voz legalmente autorizada a falar por todos – o governador João Azevedo – já deu resposta a Bolsonaro, o reprovou e garantiu que a Paraíba está fora da loucura.A elegante manifestação do governador

– A Paraíba, apesar de nossos esforços, vive um aumento nos níveis da COVID-19. Acreditamos que não seja a hora de sediar grandes eventos, e que não será possível apresentar qualquer proposta do Governo do Estado com relação à Copa América, já refutada por países vizinhos. O que precisamos agora são vacinas, em quantidade suficiente e com celeridade. Quando as vidas das pessoas estiverem a salvo, aí sim, podemos pensar em eventos de grande porte”, postou João Azevedo no começo da tarde em suas redes sociais.