Ricardo continua insultando a Justiça e os paraibanos com seu cinismo deslavado em exposição nas redes sociais

A turma da Calvário, a maioria já em liberdade, alguns sem tornozeleiras apesar da periculosidade, continua espalhando o terror através de fakenews bem ao estilo de seus supostos oponentes de quem reproduzem os métodos cavilosos de confundir a opinião pública.

Sem tornozeleiras e sem o pudor de sempre, galopando na arrogância e na prepotência que o caracteriza, o chefe do esquema criminoso, desbaratado pelo Gaeco, insiste em desprezar a inteligência alheia.

No banco dos réus

Incentivado pelo cinismo, que lhe é peculiar, volta à carga e espalha informações, embaralhadas, sobre privatizações no setor de abastecimento de água, gerenciado por uma empresa enxuta, equilibrada e que presta o mais relevante e essencial dos serviços ao povo paraibano.

Por essa excelência um patrimônio desse povo que um dia foi violentamente espoliado por esses malfeitores, agora beneficiados pelas brechas que uma legislação complacente oferece. Eles insistem agredir a ética, a moral e os bons costumes com a desfaçatez de sempre.

Entregando-se à PF

Enraivecido e furioso, movido pelo despeito e pela inveja, esse presidiário açula e instrui seus cães de guerra para atacar e denegrir uma gestão que alcançou significativos índices de aprovação acima dos 80%, o que significa dizer que o ESTADO está em boas mãos, limpas e honradas.

Ao contrário do passado, onde mãos ágeis e leves, capazes de fazer inveja aos melhores batedores de carteira providencialmente encarceradas nos presídios pela vigilância da polícia, mas, infelizmente, de volta às ruas, favorecidos pela parcialidade da Justiça sempre complacente, conivente e cúmplice com essas gangs como sugerem as decisões que os devolveram ao convívio social.

Dedurado pela parceira

Exaustivamente declarado a favor da preservação da Cagepa como patrimônio dos paraibanos, antecipando-se e prevenindo-se das articulações sorrateiras de um GOVERNO essencialmente neoliberal sem zelo e sem compromisso com a soberania do país, declaradamente a favor da alienação dos entes públicos, o Governo do Estado tomou medidas para que esse valioso patrimônio não fosse surrupiado pelas manobras subalternas e solertes dos defensores da privatização selvagem.

Medidas essas que contrariam os marginais, promotores do assalto aos cofres públicos, que hoje respondem nos tribunais por crimes inomináveis, que desfalcaram os cofres do Estado, mas que não perderam a vontade de iludir e confundir a opinião pública, através da difusão de informações cavilosas, que passam longe da verdade, porque a verdade sempre foi abominada por essa gente prepotente, arrogante e ardilosa.

Sem futuro

Nunca em tempo algum esse Governo comandado por João Azevedo privatizará a Cagepa para desespero do abominável homem da Cruz Vermelha e seu bando. (Redação)

João Azevêdo desmente fakenews e garante que no seu governo jamais a Cagepa será privatizada

O governador João Azevêdo desmentiu, nesta quarta-feira (16), fakenews disseminadas nas redes sociais em relação à gestão da Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa) e assegurou que a empresa não será, sob hipótese alguma, privatizada em seu governo. Em vídeo, o chefe do Executivo estadual aproveitou para anunciar que enviou à Assembleia Legislativa o projeto de Lei que cria Microrregiões de Água e Esgotos, garantindo a manutenção da Cagepa como empresa pública.

“O que nós estamos fazendo, neste caso específico, é justamente o contrário do que estão tentando propagar. A medida, que envio hoje ao Legislativo, estabelece a criação de quatro Microrregiões de Água e Esgotos e abre a possibilidade da continuidade de atuação da nossa empresa estadual, sem descuidar, é claro, do compromisso de atuação da Cagepa no atingimento de metas e indicadores de desempenho, bem como mecanismos que comprovem os seus resultados e a melhoria da prestação de serviços”, explicou.

Ele também destacou que a medida encaminhada ao Poder Legislativo se antecipa às exigências previstas pela Lei 14.026/2020 e evita qualquer possibilidade de desestruturação da Companhia. “Se assim não fizéssemos até o próximo dia 15 de julho, conforme determina a nova Lei do Marco Legal do Saneamento, o governo federal poderia, ao seu modo, estabelecer esses blocos de municípios, à revelia do estado e de sua Companhia, esvaziando e minguando a Cagepa, passando os serviços a serem operados por esses blocos de municípios, obrigando estes a contratarem empresas privadas que passariam a operar os seus serviços”, sustentou.

João Azevêdo ainda reforçou seu compromisso e responsabilidade do patrimônio de todos os paraibanos. “Sempre defendi, defendo e defenderei, até o último dia do seu governo, uma Cagepa pública e eficiente, que se manterá como empresa de interesse público administrando um bem fundamental à nossa existência, que é a água”, finalizou.

Assessoria