Poderes reagem às delações e dizem que elas não são provas; 50 mil dariam apenas para comprar sapatos e perfumes de madame

Começa o coro para esvaziar as delações premiadas da Operação Calvário depois que elas atingiram setores qualificados da vida pública, espargindo deputados e conselheiros com o tempero da suspeita.

Nesta segunda-feira, o presidente do TCE, conselheiro Arnóbio Viana, expede nota defendendo o aprofundamento das investigações e a rigorosa punição aos responsáveis “doa a quem doer”, emprestando solidariedade e manifestada confiança nos auditores atingidos pelas delações de Livânia, atirada ao cárcere e desacreditada pelas acusações que pesam contra ela.

Ao contrário da mulher do presidente, Georgiana, confortavelmente amparada ao ombro amigo do esposo e desfrutando dos privilégios do nepotismo, contemplada com sinecura no serviço público desde 2011, de onde trocava salamaleques com a presidiária quando esta secretária de estado naquelas intimidades de amigas.

Quanto mais defendem os auditores mais complicam a vida de Georgiana, exemplo dos mais notáveis de como a promiscuidade teria invadido os gabinetes e corredores do Poder na gestão de Ricardo Coutinho, revelando cifras tão insignificativa, reconhecidamente insignificativa até para os auditores, que refutaram os valores supostamente solicitados com indisfarçável repugnância.

Do que se pode apreender que R$ 50 mil nesse mundo de milhões, dariam apenas para comprar sapatos e perfumes, o que compromete a “servidora” estadual tão inepta que não conseguia se aperceber dos montantes que rolavam a época, arrecadando merrecas para corromper tão graduados representantes da meritocracia pública.

Por sua vez, o presidente da Assembleia, Adriano Galdino, sai na defesa dos deputados envolvidos pelas delações de Livânia refutando que delação não é prova e mostrando que o mundo politico estará unido para rechaçar e desmerecer as investigações da Operação Calvário.

A essa altura prestando-se apenas para destruir Ricardo e alguns poucos, porque se as delações não servem para implicar ninguém seria melhor encerrar agora a tão redentora operação para que a sociedade não seja tão ultrajada pela vilania dos poderes atingidos.

A cada fase, a Operação vem mais devastadora e deve retornar às ruas com impetuosidade ainda maior para poder desafinar esse coral de indigentes morais que começa soar na espúria tentativa de acobertar bandidos, aparentemente ornados de mandatos e togas.


Presidente do TCE-PB divulga apoio às investigações da Calvário; auditora desmente Livânia

O conselheiro Arnóbio Viana emitiu hoje uma nota em que divulga seu “total e irrestrito apoio às investigações” em curso na Operação Calvário. No fim de semana, um capítulo da delação da ex-secretária da Administração do Estado, Livânia Farias, citou o nome da esposa de Arnóbio, Georgiana, como suposta articuladora de um esquema para aprovar as contas do ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB).

NOTA PÚBLICA

O Presidente do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba, Conselheiro Arnóbio Alves Viana, em razão da mais recente divulgação de fatos decorrentes da denominada “Operação CALVÁRIO”, vem reiterar total e irrestrito apoio às investigações em curso, pugnando pela celeridade e efetiva punição a todos quantos tenham praticado delitos em desfavor da sociedade paraibana, doa a quem doer.
Ao mesmo tempo, renova a confiança na isenção, lisura e excelência dos trabalhos executados pelo diligente corpo de Auditores do TCE-PB.
João Pessoa, 06 de janeiro de 2020.
Conselheiro Arnóbio Alves Viana
Presidente

Depoimento de Auditora

Ainda a respeito do caso, a auditora do Tribunal de Contas do Estado, Mirtzi Lima Ribeiro, fez vários questionamentos sobre verossimilhança do que disse Livânia Farias ao Gaeco em relação a Georgiana. O texto foi publicado originalmente no blog de Tião Lucena e reproduzimos a seguir:
Mirtzi Lima Ribeiro

Em relação aos Auditores de Contas Públicas, o Relatório das Contas do Governo, é realizado por um grupo deles (cerca de 10 Auditores de Contas e dois ou três auxiliares de contas)…

Depois passa pela chefia de divisão e de departamento, também Auditores de Contas, depois pelo Diretor de Fiscalização que também é Auditor de Contas.
Juntando todo esse pessoal para “dividir” 50 mil…. E mais: não bate a conversa de Livânia … Sem sentido. Entretanto, essa “declaração” dela DEVE SER APURADA COM PROFUNDIDADE para que a VERDADE VENHA à TONA.

A declarante em sua “delação” faz acusações a terceiros (que não trataram diretamente com ela, mas, por essa “MEDIADORA”), e que TERIAM sido “citados” GENERICAMENTE pela esposa do atual presidente (“MEDIADORA”).

Digno de nota é que, à época dessas contas do exercício de 2014, de Ricardo Coutinho, que eu saiba, o esposo dela nem era o Relator das Contas do Governo daquele exercício (2014), nem tampouco era o presidente do TCE PB.
O relator das Contas do Governo do Estado em 2014 foi Antônio Nominando Diniz Filho, de 2015 foi Fernando Rodrigues Catão.

Dr Arnobio foi presidente do TCE PB, no biênio 2006/2007 e desse atual biênio 2019/2020, tendo sido presidente apenas nessas duas ocasiões (o sistema é de rodízio entre os 07 conselheiros).

O fato em si dessa “delação” é estranho.

Outro ponto, é a incoerência do valor, em razão de que certos advogados cobram muito mais que isso para apresentar defesa….

Logo, comparando esse citado valor (50 mil), ao que um advogado geralmente cobra para fazer defesas de governadores, ele está aquém.

Além do quê, são muitos Auditores de Contas que organizam a análise dessas Contas (setorizado).

O órgão técnico ao qual pertencem os Autores de Contas, deve oferecer alguma NOTA PÚBLICA a respeito disso via SINDICATO da categoria.

Não há esse mal hábito no órgão técnico de instrução entre o corpo de Auditores de Contas Públicas.

Estou lá há 32 anos e nunca vi coisa assim.