PB lidera crescimento de comércio varejista no país

Pelo segundo mês consecutivo, a Paraíba lidera o crescimento do comércio varejista, no país. A Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, aponta alta de 4,5%, em setembro, sobre o mês de agosto, quando já havia sido registrado um acréscimo de 27,1%, no volume de vendas, sobre o mês anterior. A média brasileira foi de 1,1%, em setembro. (via jornal A União*)

O IBGE registrou crescimento em 18 das 27 unidades da federação. Também são destaque os desempenhos de Rio de Janeiro (3,1%) e Pernambuco (2,3%). Os piores resultados ficaram com Mato Grosso do Sul (-1,7%), Espírito Santo (-1,5%) e Roraima (-1,2%).

O volume de vendas do varejo ampliado, que inclui as atividades de veículos, motos, partes e peças e material de construção, cresceu 2,5%, na Paraíba, o segundo melhor desempenho. O Rio de Janeiro teve alta de 5,5%. Embora no varejo ampliado, apenas 13 unidades da federação tenham apresentado crescimento, a média nacional foi de acréscimo de 1,5% sobre agosto.

No comparativo das vendas do varejo de setembro deste ano com o mesmo mês de 2021, a Paraíba cresceu 41,6%, liderando o índice em disparada, em relação ao segundo colocado, o estado de Amapá (13,7%). No Brasil, o aumento foi de apenas 3,2%. Três estados apresentaram redução: Rio de Janeiro (-3,1%), Bahia (-2,5%) e Pernambuco (-2,1%).

A Paraíba também registrou o maior crescimento no comércio varejista ampliado. No comparativo entre setembro de 2022 e de 2021, o acréscimo nas vendas foi de 25%. Em seguida, estão Mato Grosso (12,6%) e Tocantins (11,3%). No recorte temporal, 11 unidades federativas apresentaram redução, com destaque para Pernambuco (-13,6%), Bahia (-10,4%) e Ceará (-6,3%).

Seis atividades crescem

Seis das oito atividades pesquisadas pelo IBGE apresentaram crescimento em setembro, em relação a agosto: livros, jornais, revistas e papelaria (2,5%); equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (1,7%); combustíveis e lubrificantes (1,3%); hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (1,2%); tecidos, vestuário e calçados (0,7%) e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, e de perfumaria (0,6%).

As reduções nas vendas foram constatadas nas atividades de móveis e eletrodomésticos (-0,1%) e outros artigos de uso pessoal e doméstico (-1,0%). As duas atividades complementares do varejo ampliado ficaram estáveis frente a agosto: veículo e motos, partes e peças com -0,1% e Material de construção, com 0,0%.

No comparativo com setembro de 2021, cinco atividades registraram crescimento: combustíveis e lubrificantes (34,8%); livros, jornais, revistas e papelaria (31,8%); equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (6,8%); artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (5,9%) e hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (3,8%).

A PMC verificou quedas no desempenho das atividades de outros artigos de uso pessoal e doméstico (-10,0%); tecidos, vestuário e calçados (-9,5%) e móveis e eletrodomésticos (-5,9%). As duas atividades do varejo ampliado tiveram retração: veículos e motos, partes e peças (-1,2%) e material de construção (-7,9%).

*Matéria assinada por Thadeu Rodrigues