Márcia Lucena imita a Máfia Siciliana e protege familiares da Orcrim girassol garantindo emprego e vencimentos que recusa aos servidores locais

Nada mais deplorável do ponto de vista da moralidade do que as ruínas do que ainda resta do império criminoso montado por Ricardo Coutinho, aquele que insiste em lives onde uma inexpressiva parcela de fanáticos ainda participa para aplaudir as justificativas mirabolantes sobre o assalto aos cofres públicos.

Ao exemplo da Máfia, os laços de família são sagrados para a Orcrim girassol

Mas, a organização criminosa apontada pelas investigações ainda sobrevive embutida em esconderijos disfarçados de prefeituras, onde parentes e aderentes das principais personagens dessa novela policial, que se transformou a Operação Calvário, são abastecidos com expressivos vencimentos, comprovando a foça e a influência do ex-governador, aquela que a decisão da ministra Laurita Vaz não enxergou.

Como nada permanece escondido para sempre, circula em grupos de whatsapp pelo litoral sul banners mostrando a ligação íntima da prefeita Márcia Lucena, de Conde, com a Organização Criminosa da qual foi acusada de participar e de ser uma das principais peças da bem azeitada engrenagem para surrupiar o dinheiro público.

Envolvida até o pescoço nos desmandos promovidos pelo ex-governador flagrado em gravações onde comemora a propina recebida, considerada como seu décimo terceiro, Márcia Lucena agora abriga parentes dos principais acusados, distinguidos com remunerações que os servidores locais jamais sonhariam obter.

No Conde, ninguém soltou a mão de ninguém

O fato de Márcia continuar administrando os destinos de uma prefeitura se respalda em um dos princípios basilares do ordenamento jurídico deste país, que assegura tranquilidade aos malfeitores, porque beneficiados por uma presunção de inocência, que as provas devastadoras afastam irremediavelmente, prosseguindo assim intocáveis e irremovíveis, cometendo os mesmos delitos, até que se esgotem os recursos jurídicos.

Com esse tratamento privilegiado aos parentes da Orcrim girassol, com destaque para Livânia Farias e Gilberto Carneiro, principais protagonistas da Operação Calvário, os laços de família asseguram abrigo na prefeitura de Conde, com emprego e renda que os distinguem dos servidores comuns e locais.

Em assim fazendo Márcia professa uma máxima da Máfia Siciliana, onde a “família” tinha que ser amparada na desgraça dos seus chefes e capôs.

Os banners indicam também que o Conde se tornou refúgio seguro para os apaniguados de réus, em ações delituosas contra o erário, preservando privilégios.

E mais: os banners confirmam ainda que os laços de família são muito fortes na Orcrim girassol exatamente como professava a máfia siciliana.