Lula anuncia Haddad na Fazenda, Múcio na Defesa, Dino na Justiça, Rui Costa na Casa Civil e Mauro Vieira no Itamaraty

O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) confirmou nesta sexta-feira (9) cinco ministros que vão compor o seu governo a partir de janeiro. O anúncio, que já era esperado, foi feito a jornalistas no CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil), sede do gabinete de transição, em Brasília. O senador eleito Flávio Dino (PSB) irá para o Ministério de Justiça e Segurança Pública; o governador da Bahia, Rui Costa (PT), para a Casa Civil; o diplomata Mauro Vieira para o Itamaraty; o ex-ministro da Defesa José Múcio Monteiro para a Defesa; e o ex-ministro Fernando Haddad para a Fazenda. (via Folha de S. Paulo)

Os últimos dois nomes eram os mais esperados e que mais sofriam pressão para serem anunciados. Na Economia, há expectativa de que com a indicação do ministro, as negociações em torno da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) sejam facilitadas.

Também por este motivo, Lula disse que vai discutir com seu futuro ministro os nomes dos comandantes após o jogo do Brasil na Copa do Mundo, nesta sexta.

Como a Folha mostrou, devem ser: general Julio Cesar de Arruda, no Exército; almirante Marcos Sampaio Olsen, na Marinha; e o brigadeiro Marcelo Kanitz Damasceno (Aeronáutica).

Os nomes respeitam o critério de antiguidade, numa tentativa de desarmar a resistência e eventual insubordinação de militares.

Dos ministros anunciados nesta sexta, nenhum é mulher ou negro. O presidente eleito disse que Dino é “no mínimo, pardo”. Apesar de Gleisi Hoffmann estar ao lado do petista, ele já disse que ela não assumirá nenhuma pasta. Lula tentou se justificar da falta de diversidade prometendo “mulher, homem, negros, índios” nos próximos anúncios.

Os nomes desta sexta-feira dão a largada no primeiro escalão de Lula. Inicialmente, a ideia do presidente eleito era anunciá-los após a diplomação, marcada para a próxima segunda-feira (12), no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Mas, de acordo com a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, ele decidiu antecipar os nomes que já estavam certos para evitar maiores especulações.

Além disso, os nomes já começam também a se movimentar. O futuro ministro da Fazenda já se reuniu com representantes do Banco Mundial para discutir os investimentos da organização no Brasil e participou de jantar na Febraban. Ele também esteve nesta quinta-feira com o ministro Paulo Guedes (Guedes) no ministério nesta semana.

“Sei que quando esses ministros tomarem posse, vão se apresentar a mim, chorando com o orçamento deles, ‘preciso de mais dinheiro’. Vou dizer para eles: fabriquem, arrecadem mais. Economia tem que crescer. Façam a economia crescer que vai ter mais dinheiro, emprego e salário para todo mundo”, disse Lula.

Apesar dos anúncios, o presidente eleito não disse ainda, contudo, quantos ministérios deve ter o seu terceiro mandato. De acordo com o que o petista disse nesta sexta, ele deve fechar o desenho da Esplanada, com o números exato de pastas, no domingo e começar a anunciá-los após sua diplomação.

A expectativa de aliados, com base em conversas e nos 32 GTS (grupos de trabalho) na transição. Hoje, sob Bolsonaro, são 23.

Na semana passada, ele havia dito que já tinha “80% do ministério na cabeça”, mas que gostaria de construir uma Esplanada com a frente ampla que ajudou a elegê-lo.

Lula contou com o mais amplo leque de partidos durante a campanha, com o apoio de nove siglas à sua coligação: Rede, Solidariedade, Avante, Agir, PC do B, PSOL PV e PSB, além do PT.

Após a vitória, passou ainda a articular uma base no Congresso com União Brasil, MDB e PSD. Os dois últimos também compõem o núcleo político no gabinete de transição, assim como o Cidadania.

Matéria completa em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2022/12/lula-anuncia-haddad-mucio-dino-rui-costa-e-mauro-vieira-em-ministerios.shtml

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil