Estelionato, falsificação de documentos públicos, improbidade e outros crimes tornaram-se banais na política de Bayeux

Bayeux não cessa de se superar quando o quesito é escândalo e corrupção. Neste carnaval de indecências, a cidade é sempre nota 10 haja vista seu desempenho e sua enorme capacidade de ultrapassar todos os limites da imoralidade e das falcatruas.

Fábio apresentou documentos para receber a cesta básica

Chega a redação um primor de improbidade e de estelionato – e outros artigos do Código Penal, que são violados com uma naturalidade que comprova com que desfaçatez a bandidagem assumiu o município, onde quem devia zelar pela compostura pública simplesmente agride a legalidade com requintes de vulgaridade típico de quem professa fé na impunidade.

Documento nomeando Fábio assessor parlamentar lotado no gabinete de Cabo Rubens

Uma manobra para lesar os cofres públicos se faz da forma mais descarada sem o menor cuidado de resguardar a probidade que a gestão pública exige e recomenda.

Um assessor da Câmara Municipal, constando da folha de pagamento do Poder Legislativo, Fábio de Sousa Batista, comissionado na cargo de assessor parlamentar para servir no gabinete do vereador Rubens Severino José Filho, recebeu cesta básica sob a alegação de desempregado e ainda passou recibo tal o descaramento que estimula esse tipo de picaretagem, em Bayeux, onde o absurdo transformou-se em banalidade.

Fábio passou recibo do crime

A intrincada rede da corrupção envolve esposas de vereadores colocadas em postos estratégicos para permitir e possibilitar andamento a crimes que tipifica, entre outras coisas, estelionato, falsificação de documentos públicos, e improbidade administrativa, praticados pelo então vereador Cabo Rubens e a esposa da Luz, titular à época da Secretaria de Ação social.

São crimes banais no cotidiano das gestões públicas de Bayeux e, independe de partidos e gestores, todos imbuídos da mesma mentalidade de que, a coisa pública está a serviço de interesses privados, os mais espúrios.

Neste ambiente o que não falta são escândalos

A maracutaia só teve fim com a derrota do vereador impossibilitado agora de exercer sua periculosidade por decisão das urnas, impedido de se fartar do erário com estarrecedora indecência.

Fábio alegou estar desempregado

Diante desta realidade devassa, acintosa, escandalosa, debochada faz-se urgente que as autoridades notadamente o Ministério Público aja e aja com urgência urgentíssima para coibir esse mundo de lama em que se transformou Bayeux.

Intervenção é a solução.