Em Bayeux, retirada da candidatura do capitão Jaerson gera crise no PSL, e vice-presidente do partido, Cel Francisco, entrega o cargo e pede desfiliação

Não demorou para ter repercussão a mudança de chapa do PSL, em Bayeux, depois da retirada brusca do capitão Jaerson Silva, indicado pessoalmente pelo presidente estadual, deputado Julian Lemos, para disputar a prefeitura, posteriormente (e inexplicavelmente) substituído como resultado de conchavos de bastidores, firmados no silêncio da noite, que podem atender as conveniências políticas, mas que desrespeitam os critérios de lealdade e cortesia.

A retirada do capitão repercutiu negativamente dentro dos meios militares, onde o candidato, agora a vice na chapa de outro capitão, goza de grande prestígio e consideração.

O coronel (D) não gostou do tratamento dispensado pelo deputado ao colega de farda

Esse patrimônio moral do preterido teria motivado o vice presidente da Legenda, coronel Francisco, tomar uma posição firme diante dos fatos acontecidos, que terminaram também lhe atingindo, já que designado para conduzir o processo eleitoral em vários municípios, entre eles Bayeux, sendo também surpreendido pelo inopinado da mudança na chapa, onde Jaerson Silva foi substituído, sem que essa aliança firmada entre PSL e PDT. tenha seque sido avaliada por ele.

Como consequência desse ato intempestivo, interpretado como uma violência gratuita a lealdade que deve pautar as relações humanas e partidárias, o coronel Francisco resolveu entregar o cargo de vice-presidente do PSL, como também solicitar em caráter irrevogável sua desfiliação partidária.

Capitão Jaerson, feliz da vida em outro ninho, prestigiado e na condição de vice

O coronel Francisco foi o grande articulador político do PSL, nas eleições de 2018, responsável pelo sucesso eleitoral do partido na Paraíba, quando coordenou a campanha do presidente Jair Bolsonaro, difundido e criando diretórios pelo estado, trabalho que resultou na eleição do próprio deputado federal Julian Lemos, e de outros candidatos como o cabo Gilberto.

Amigo pessoal do capitão atingido pela decisão estapafúrdia do deputado Julian Lemos, o coronel, depois de muita reflexão, achou por bem não permanecer omisso ao incidente, politicamente desagradável, e endereçou nota ao presidente da legenda manifestando sua irresignação como também sua solidariedade ao amigo afrontado pela descortesia que inspirou a retirada brusca do seu nome da chapa.

Abaixo, transcrevemos o documento enviado pelo coronel ao deputado em tom curto e grosso.