Viaturas da PM são transformadas em estúdios de gravação; guarnições entoam hits enquanto fazem ronda e deputado insiste em Fakes

Apesar dos mecanismos criados para impedir a difusão de notícias infundadas a insistência com as ditas fakes News continua a todo vapor e mais uma chega ao noticiário alcançando o top do descrédito no vídeo difundido pelo deputado Cabo Gilberto eleito por expressiva maioria dos seus colegas de farda, mas que tem dedicado seu mandato a alvejar o governador João Azevedo desconhecendo o caos instalado na sua área profissional, a Segurança Pública, para a qual devia dedicar total e extremada preocupação.

 

A fake News exibida pelo empolgado militar no exercício de seu primeiro mandato e sem a necessária malicia para perceber quando está sendo instrumentalizado, não demorou muito, e, logo em seguida, a sua divulgação veio a paulada desmoralizadora do Governo, mostrando que as acusações de distribuição de cestas básicas, não procediam pelo simples fato de que, o processo licitatório sequer havia sido concluído, o que impede o Governo de comprar e distribuir, por enquanto, as cestas apresentadas pelo açodado deputado em vídeo postado na internet.

Enquanto, o deputado Cabo Gilberto apresenta informações destituídas de veracidade seu mundo fardado desaba revirado pelo caos que mergulhou a Segurança Pública, entregue ao diletantismo de certas guarnições a transformar em estúdios de gravações as viaturas destinadas ao policiamento ostensivo e preventivo como fica evidente em vídeo onde um casal de militares se diverte cantando modinhas, em animado passeio pelas ruas da cidade que deviam policiar, garantindo a segurança do cidadão e do seu patrimônio.

Num contraste revoltante, duas polícias são evidenciadas: uma produzida e maquiada bem ao gosto dos seus superiores, exibindo glamour e beleza acentuada por pomposas lentes de contato a tornar mais atraente e sensual o rosto da policial que se queixa de solidão e falta de sorte no amor; e outra representada pela insipidez de velhos praças, acossada pelo medo, atirada aos rincões da cidade, em tenebroso turnos de serviço, onde apenas os cadeados lhe servem de proteção.

Essas viaturas estão sendo usadas para divertidos passeios pela orla

A ronda esfuziante e descontraída do casal de militares, lotados no policiamento de turismo, a desfrutar das belezas paradisíacas da orla paraibana, mereceu apenas uma recomendação dos superiores advertindo que, as normas do bom policiamento exigem atenção e concentração no serviço.

O relaxado passeio da guarnição da Ceatur, companhia de turismo, comprova o desleixo que conduz o atual comando da Polícia Militar sem disciplina, fazendo do serviço da maior responsabilidade uma brincadeira de adolescentes, revelando porque a cidade e o estado se encontram desprovido de policiamento ostensivo e preventivo.

Essa turma faz ronda se divertindo em animados duetos

Em nota o comandante da Companhia faz essa advertência aos subordinados de forma branda e tolerante para com os desvios de função: “Recomendamos aos policiais desta companhia que evitem durante o serviço, ou mesmo ainda não o tendo iniciado , mas estando já fardados, a divulgação de IMAGENS ou VÍDEOS de estilo “entretenimento”, “humor”, “paródia” e afins, e outros conteúdos que muito se distanciem das questões relativas ao serviço ou que ocorram em função deste, sobretudo, dentro de viaturas, durante o patrulhamento, embarcado ou desembarcado, a fim de dar cumprimento ao que prevê a boa doutrina de policiamento ostensivo quanto ao binômio baixa velocidade/ATITUDE EXPECTANTE, visando a prestação de um policiamento mais eficiente, bem como a manutenção da segurança da guarnição e de terceiros”.

O comportamento da guarnição recomendaria rigorosa punição disciplinar como mandam os mandamentos de uma polícia comprometida com a Segurança e submetida à rigidez da disciplina e da hierarquia em vez de um leve puxão de orelha, de uma tímida e medrosa recomendação, que não o recomenda para o comando.

Enquanto essa dupla de policiais ronda pela cidade cantando e escarnecendo do compromisso com a população, cenas de barbarismo acontecem diante de batalhões, em ruas das mais movimentadas como a Epitácio Pessoa, onde um suspeito de roubo nesta sexta-feira (8) foi punido pela Lei de Liynch sem que uma só viatura tenha comparecido para conter tamanha brutalidade provavelmente entretidas com divertidas gravações nos estúdios móveis em que foram transformadas pelo diletantismo das guarnições, aquelas que integram a tropa de elite de uma corporação maquiada para iludir os crédulos.

Por detrás do mesmo batalhão feéricamente inaugurado como solução para reduzir os ataques ao patrimônio bandidos, na madrugada desta sexta-feira, ignorando as águias, aninhadas no ninho esfuziante que lhe foi destinado, arrombaram a sede do INSS e levaram 14 computadores entre outros objetos.

Essa agência arrombada na madrugada fica a 200 metros do batalhão criado para combater o roubo ao patrimônio

Os fatos revelam a inoperância de um comando que já enfrenta o deboche e a indisciplina e que não exerce mais autoridade sequer para impor a hierarquia diante do que se pode deduzir da anarquia apresentada pelo policiamento ostensivo em divertidas incursões pela cidade.

Como também pode-se deduzir a total desmoralização da autoridade pela revolta que o medo acomete a outra face da instituição, aquela entregue à própria sorte nos fundões do Grotão, onde só Deus e os cadeados podem socorrer.

Abaixo os vídeos com a divertida dublagem dos policiais em serviço:

Enquanto isso, no Grotão, o mundo escurece e perde a graça e a afinação como revela o sargento Sóstenes: