Vené trabalha na surdina para ser candidato ao Governo do Estado e recebe apoio dos mandarins da AL

Há uma intensa movimentação nos bastidores promovida pelos prováveis candidatos ao Governo do Estado principalmente aquela parcela da política campinense, já em formação de batalha para uma guerra cujo início ainda relativamente distante, mas que já empolga as assessorias e invade as redações.

Vené garimpando apoios

São muitos os releases produzidos e distribuídos, mas um chama atenção pela intensidade e redobrado esforço de promover o candidato e admoestar os eventuais adversários e suas ligações por demais evidentes e distintas, já que chegam com o timbre do senador Veneziano Vital do Rego, que se farta nos cochos do Governo, inclusive contemplado com secretarias, mas que já vem terraplanado o caminho para o Palácio.

Veneziano tem realizado manobras que confirmam sua condição de candidato na cômoda posição de que ainda terá mais quatro anos de mandato como senador caso não obtenha sucesso na empreitada para o Governo do Estado.

As cartas de Veneziano estão na mesa

Manhoso, afetado no linguajar quinhentista, que absorveu do pai, de cabelos aparados e sem o ar de playboy do interior, Vené vem correndo a pista, marcando as curvas e os desvios, agarrado na mão de figuras políticas estrategicamente instaladas, como o presidente da Assembleia Legislativa, Adriano Galdino, e do vice, Felipe Leitão, cuja capacidade de armação e articulação são notórias.

A pretexto de reunir lideranças municipais para agendamento de emendas parlamentares, o grupo de efetiva atuação e influência dentro da Assembleia mostrou as garras e os dentes, assim que as urnas silenciaram, deixando no ar o som soturno dos clarins de guerra.

Vem chumbo grosso.