Uma em cada quatro mulheres não denuncia agressor por dependência financeira

Uma em cada quatro mulheres não denuncia o agressor porque depende financeiramente dele. O dado é da pesquisa do Instituto DataSenado, que aponta que dependência financeira (32%) é a segunda principal razão que leva vítimas a não romperem o ciclo de violência. A primeira é o medo do agressor (62%).

No Dia Estadual do Combate ao Feminicídio (19 de junho) a deputada estadual Rafaela Camaraense (PSB) defendeu ações de inserção da mulher no mercado de trabalho e estímulo ao empreendedorismo para quebrar o ciclo de violência. “Por depender economicamente do companheiro, a mulher acaba ficando em casa ao lado do agressor. Isso pode resultar em feminicídio”, disse.

Segundo a parlamentar, cada emprego que é gerado, cada mulher que decide empreender é um avanço na luta contra a violência que leva ao assassinato de mulheres.

Rafaela, que foi secretária estadual de Juventudes, desenvolveu ações voltadas para a inserção da mulher no mercado de trabalho. Firmou parcerias e ofereceu cursos dentro do ‘Ela Pode’, junto com o Instituto Rede Mulher Empreendedora.

A iniciativa teve o objetivo de fortalecer as mulheres jovens que têm um empreendimento e querem melhorar o seu negócio, gerando emprego e renda no município. Os cursos oferecidos foram de Marketing Pessoal, Networking, Vendas e Ferramentas Digitais. “Nosso objetivo foi o de garantir independência financeira das nossas mulheres e ainda o poder de decisão sobre seus negócios e vidas”, explicou a deputada Rafaela Camaraense.