TCE suspende concurso da Prefeitura de Bayeux; gestão de Luciene gasta 23 milhões com consultorias

Bayeux permanece afundada na lama de escândalos que se tornaram característicos da cidade. Volta e meia um denúncia abala os pilares da sociedade local e velhos personagens da bagunça generalizada retornam ao picadeiro de horrores em que transformaram o município.

Alvo de investigações

Agora são denuncias envolvendo pagamento para consultorias públicas, que atingiriam a quantia de R$ 23 milhões, algo volumoso demais para um município tão carente de dinheiro em áreas verdadeiramente essenciais como Saúde e Educação.

A denúncia tem como origem o cidadão Ary Junior, um diligente fiscal da gestão pública conhecido pelo rigor com que acompanha a atuação dos gestores de Bayeux.

Incansável, Ary não dorme em serviço e não dá descanso às ratazanas da cidade também incansáveis na nebulosa atividade de surrupiar o dinheiro público.

Bayeux agora é sacudida por uma decisão do conselheiro do TCE, Nominando Diniz, que mandou suspender um concurso público da prefeitura por encontrar subsídios na denuncia formulada apontando irregularidades na contratação da empresa composta por dirigentes comprovadamente réus em outras denúncias de improbidade.

Em nota divulgada neste domingo (29), o Idib argumenta que o autor da denúncia é diretamente ligado a outra banca organizadora de concursos. Para a instituição, a pessoa atuou “com indisfarçável interesse comercial”. O Idib vai recorrer da decisão do TCE-PB.