Sobe para 24 o número de casos suspeitos de varíola dos macacos na PB

Novos seis casos foram notificados ontem (10/8) como suspeitos para o diagnóstico de Monkeypox, popularmente conhecida como Varíola dos Macacos. Agora, a Paraíba tem 24 casos em investigação. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), os casos apresentam sintomas leves e estão em isolamento domiciliar com acompanhamento das vigilâncias epidemiológicas municipais, sem necessidade de internação. O Estado já tem um caso confirmado e outros dois descartados.

A maioria dos casos em investigação se concentram em João Pessoa, com 14 registros. Também aparecem na lista a cidade de Santa Rita, com dois casos suspeitos; Campina Grande, Sousa, Cruz do Espírito Santo, Belém, Ingá, Mulungu e Rio Tinto, com um caso cada. As idades dos novos casos suspeitos não foram informados, no primeiro boletim da doença nove casos em investigação atingiram pessoas entre 20 e 59. As amostras foram enviadas ao Lacen-PB e, em seguida, para o laboratório da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro.

O primeiro caso foi confirmado na última quinta-feira, sendo a paciente uma mulher de 22 anos que reside em João Pessoa. A mulher apresentava sintomas leves.

A Varíola dos Macacos é uma doença viral transmitida pelo contato próximo com uma pessoa infectada, seja por gotículas, contato físico com lesões na pele ou com o vírus instalado em alguma superfície, como toalhas e outros objetos compartilhados. O Brasil ainda não dispõe de doses de vacinas para evitar o desenvolvimento de casos graves da doença.

Participando de evento sobre a campanha de vacinação da poliomielite, em João Pessoa nesta terça-feira, o Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, informou que a pasta busca a aquisição de 50 mil doses de vacinas que serão destinadas aos profissionais de saúde, que atuarão na linha de frente do enfrentamento à doença que é entendida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma emergência de saúde pública de importância internacional por conta do potencial de rápida disseminação da doença em todo o mundo.

Também na terça-feira, o COE Monkeypox (Centro de Operações de Emergência), criado pelo Ministério da Saúde para monitorar o avanço da Varíola dos Macacos no Brasil, determinou nível máximo de alerta para a doença. Até o momento, o país possui mais de 2.293 casos confirmados, sendo a maior concentração de casos observada nos estados de São Paulo (1.636) e Rio de Janeiro (253). Um óbito já foi confirmado no país em decorrência do agravamento da doença.

Por conta da situação nacional, a SES recomenda o uso de máscaras, manter o distanciamento e higienizar as mãos sempre que possível para evitar o contágio. Para quem apresentar sintomas, o atendimento primário deverá ser realizado em Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) ou Unidades Básicas de Saúde (UBS), onde também serão coletadas amostras para o diagnóstico.

Os sintomas comuns são lesões na pele, febre, dor de cabeça, dores musculares, dor nas costas, gânglios (linfonodos) inchados, calafrios e exaustão.

TRANSCRITO DO JORNAL A UNIÃO