Reitora eleita por Ricardo para a UFPB assume pasta na gestão de Cícero: está aberta a porteira

A professora Margareth Diniz foi escolhida Secretaria de Tecnologia para os quatro ano da gestão de Cicero Lucena. Independente de suas credenciais acadêmicas, Margareth chegou a reitoria da UFPB levada pelas mãos de Ricardo Coutinho, que disponibilizou toda estrutura da máquina do estado para garantir sua eleição ao cargo de Reitora.

Margareth em um dos momentos mais gratos de sua trajetória

Os relatos sobre a eleição de Margareth mostram que sua escolha aconteceu em um momento de paralisação das atividades da instituição de ensino, o que teria favorecido sua escolha.

Posteriormente quando de sua reeleição, Margareth teria usado de outro subterfúgio ao dar o direito de voto a funcionários de empresas terceirizadas, o que foi considerado um golpe pela comunidade acadêmica.

Independente de sua trajetória como reitora, Margareth tem um passado de profundas relações com o ex-governador Ricardo Coutinho, visto como seu padrinho politico, comprovado pelo empenho em elegê-la reitora da universidade quando, de forma despudorada, colocou a máquina do estado ao seu favor.

Margareth seria a prova de que, a indicação do vice de Cícero, Leo Bezerra, se constitui um atalho para o ingresso de ferrenhos ricardistas à gestão do progressista.

Leo chegou a condição de vice depois de dar uma rasteira em Bruno Farias. Ele é filho do deputado Hervázio Bezerra, líder de Ricardo na Assembleia durante os 8 anos de mandato do ex-governador.

Não se sabe de quem partiu a indicação da professora Margareth para o cargo de secretária municipal, mas sua escolha revela que uma intrincada engenharia politica foi tramada nos bastidores para salvar cabeças coroadas do esquema  de Ricardo Coutinho, destroçado pelas urnas.

Mesmo fragorosamente derrotado nas urnas, por indicações como  a da professora Margareth, Ricardo continua vivo na politica manipulando os cordéis através de agentes como Leo Bezerra e a ex-reitora da UFPB, afora os muitos acólitos do ex-governador que fizeram campanha acintosa para Cícero com os bolsos empanturrados de santinhos de Ricardo.

Agora só falta a nomeação do xiita Lucio Flávio para o esquema de Ricardo ser introduzido sem gel na gestão de Cícero.

Caserna

E não ficaria apenas na ex-reitora a movimentação de Ricardistas esperando na estação para embarcar  na locomotiva vitoriosa dos Progressistas. Há um intenso movimento no interior da caserna para que, oficiais notoriamente ligados a Ricardo assumam o controle da assessoria militar do prefeito eleito.

O vai-e-vem é grande pelo interior dos quartéis e junto as altas patetes da corporação, empenhadas em favorecer esses postulantes em troca de favores nada republicanos.

Quem acha que Ricardo está morto politicamente é só esperar para ver o desenrolar da gestão de Cicero.