Promoções na PM e nos Bombeiros sem data para acontecer

Um clima de suspense paira no ambiente da Polícia Militar e Bombeiros em relação às promoções previstas para o Dia do Patrono, o mártir da Independência, o alferes Tiradentes, que não ocorreram

As promoções estariam travadas

Sem maiores explicações – e com muitas implicações – a data solene, sempre coroada com as promoções, passou em brancas nuvens e os arroubos de autoridade e prestígio parece não conseguiram ultrapassar os muros da granja Santana.

E os atos de promoção sem data para ser publicados e as pendengas jurídicas já sendo iniciadas como nos Bombeiros, onde as agregações desenfreadas produziram um exemplo fantástico dessa farra que se prolonga por anos: e seis tenentes-coronéis, mesmo sem vagas, foram promovidos a coronel.

Esse adiantamento sinaliza para um impasse que aquece a bolsa de apostas e revela o grau de disputa e hostilidade que impregna o ambiente da Segurança Pública, onde duas correntes disputam o protagonismo da pasta.

Uma corrente defende a legalidade e exige o cumprimento da legislação em vigor que manda para casa quem atingiu o tempo limite de 30 anos.

A outra se apega a uma farra que entope e arrolha a corporação impedindo a sua renovação e a consequente ascensão de jovens oficiais.

Mas essa contaria com um parecer esdrúxulo do Procurador da PM, que antecipa uma Lei Federal que só passará valer a partir de 3 de dezembro e que, numa intepretação vista como cavilosa garantiria a permanência de 18 coronéis na ativa

Essa disputa teria adiado as promoções e apontaria para a prevalência da legalidade defendida por influentes protagonistas do governo, dispostos colocar um ponto final nas agregações insultuosas, que atrofiam a instituição e que serviriam apenas para perpetuar certos coronéis.

Há uma nítida tendência no GOVERNO para encerrar as agregações, que assumiram caráter de farra, já que garantem oficiais, em tempo de ir para casa, na atividade, usufruindo de regalias que a legislação não concede nem permite

Como não há previsão para que as promoções aconteçam em tese estaria prevalecendo o bom senso e o GOVERNO estudando uma maneira de repor nos eixos uma locomotiva já sem freio quase desgovernada por excesso de lotação nos escalões superiores.

O Governador teria solicitado um parecer para referendar as futuras promoções. É aguardar pra ver.