Em Bayeux, professora é vítima de crime de invasão de intimidade e tem sua vida abalada pelo ódio político que viceja na cidade

Em 2012, ainda no Governo Dilma foi criada uma lei que recebeu o nome da atriz global Caroline Dieckmann – a LEI Nº 12.737, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012, que dispõe sobre a tipificação criminal de delitos informáticos.

Caroline teve seu celular invadido e fotos íntimas varreram a internet causando constrangimento e mal-estar a celebridade que prestou queixa em delegacia e deu inicio a uma reação para coibir esse tipo de violência que atinge e fere diretamente a dignidade humana vista pela Constituição como inviolável e inalienável.

Jovem, bonita e resolvida, Paula desperta ódio, inveja e desejos mil

Muitos escândalos explodiram nas redes sociais escancarando a intimidade de famosos e anônimos numa afronta aos princípios legais que regem o direito a privacidade e a preservação da intimidade num festival de trucidamento da honra alheia, cujos danos se mostram irreparáveis ao fim do desfecho de ações judiciais.

Essas invasões criminosas são movidas pelos mais escabrosos interesses, que vão da deformação de caráter às taras sexuais. No ambiente político, elas se mostram mais frequentes e mais acintosas, porque essencialmente visando destruir a reputação de adversários políticos e, na maioria das vezes resvalando para pessoas ao redor do alvo principal, que nada teriam com essas disputas calhordas.

Outras vezes, apenas a vingança moveria os criminosos, que não se detêm diante de nada e invadem privacidades com uma ousadia que estarrece, espalhando segredos de alcova, hábitos incomuns, vícios e outras situações constrangedoras, que só despertam interesse a maledicência mundana.

Essa Casa abriga muitos segredos

Celebridades como Caroline Dieckmann foram alvos desses ataques criminosos e o seu calvário expôs a necessidade de se criar mecanismos jurídicos para coibir e conter essa prática vil que a internet deu visibilidade e, acima de tudo celeridade para constranger e destruir reputações, com sério danos psicológicos, morais e também financeiro aos atingidos pela covardia dos que se escondem no anonimato.

BAYEUX

Porém, não apenas celebridades são alvos dessa deformação dos tempos modernos: elas também frequentam os locais mais obscuros mostrando que a maldade dessa gente é uma arte e que a destruição de reputações pode ocorrer em pequenos municípios como Bayeux, aonde a corrução e a vilania estabeleceram moradia.

Esse é o perfil da pusilanimidade que prospera em Bayeux

E nessa cidade devastada pela corrupção de seus representantes políticos, cujos escândalos ressoam intermitentes, um desses episódios , de rara inspiração diabólica, devastou a intimidade de uma professora do ensino publico acordada com o estrugir da difamação pelas redes sociais, onde seu corpo foi exposto através de fotos íntimas vazadas criminosamente e de áudios devastadores, onde se insinuava relações com o prefeito da cidade, um daqueles cujo perfil entope os esgotos da política local.

Aturdida e impactada pelos efeitos da divulgação deletéria a professora viu sua intimidade espalhada como rastilho de pólvora, saciando as taras mais abjetas, varrendo os redutos mais torpes, onde viceja a crueldade humana instalada em Bayeux.

Como consequência imediata a professora Paula Meirelles viu seu mundo desabar com a destruição de sua vida doméstica.

Independente das versões, Paula teve sua vida posta de ponta cabeça em intervalo de horas. Afora o drama doméstico, Paula vem sofrendo ameaças veladas e retaliações de figuras acobertadas por mandatos, algumas com empregos públicos de destaque e influência, e outras pelo anonimato, muitas protagonistas da violência inominável cometida contra uma mulher que paga o preço de ser jovem, bonita e resolvida.

Paula Meirelles é aquele alvo que serviu aos propósitos da vilania política para atingir adversários, e os estilhaços que sobraram para ela foram suficientes para desmontar seu mundo com tal violência que ela se encontra em depressão, assistida por psicólogo e medicada a base de tranquilizantes, para amenizar as noites de agonia e desespero.

Paula foi vítima de crime tipificado pela Lei Caroline Dieckmann e uma queixa já foi prestada na Delegacia da Mulher e o desenrolar desse inquérito pode e vai expor muitos sacripantas da política pelo envolvimento solerte que tem resultado em ameaças, retaliações mesquinhas, muita covardia, muito ranço da mentalidade machista, e muita participação de cardeais de governos, manipulando os cordéis dessa novela absurda e imoral, revelando o que é capaz de urdir certas aberrações humanas, certas víboras disfarçadas em saias que proliferam em Bayeux, e cujo passado tem marcas de muitas mãos pelo corpo e de episódios que expõem uma propensão para o lesbianismo devidamente enrustido.

O portal estará atento ao desenrolar desses fatos, acompanhando de perto o calvário dessa professora vítima do crime mais hediondo dos dias de hoje que tem por alvo a dignidade humana.

Vamos seguindo e acompanhando gente com  o rabo grande que se destaca no cenário pela pusilanimidade.