Procurador Geral da República diz que Ricardo é o delinquente mais perigoso do grupo que arrombava os cofres da PB

Segundo texto publicado no blog do atilado jornalista Helder Moura a opinião do Procurador Geral da República, Humberto Jacques, difere sobremodo da manifestada pelo coronel Euller nos seus perfis em relação ao ex-governador Ricardo Coutinho.

Periculosidade dos dois é confirmada pela PGR

Pelo menos no que diz respeito ao ex-governador Ricardo Coutinho o coronel e o procurador divergem e muito: enquanto o comandante rasga devoção ao socialista, o procurador pede seu retorno à cadeia por considera-lo o “delinquente mais perigoso de todos” como consta na peça encaminhada ao ministro Gilmar Mendes.

A petição do procurador geral evidencia a atual condição do ex-governador tido e havido como o mais perigoso delinquente da quadrilha desbaratada pela Operação Calvário e coloca o governador João Azevedo numa saia justa por não tomar providências em relação a um auxiliar que faz apologia ao crime organizado enaltecendo a figura do mais perigoso dos integrantes na opinião abalizada do Ministério Público.

Procurador considera Ricardo o mais perigoso do grupo criminoso

A peça encaminhada pelo procurador geral ao ministro do STF define Ricardo Coutinho e mostra toda sua periculosidade juntamente com o irmão apontado como o homem que acionava as “forças policiais” provavelmente as comandadas pelo coronel paraibano a destilar gratidão e reconhecimento ao chefe maior do esquema criminoso, nas redes sociais, com uma desfaçatez que compromete o governador pela omissão e aparente cumplicidade aos fatos estarrecedores, já que não mexe o dedo para exonerar o desmoralizado comandante da PM.

Abaixo transcrevemos o texto de Helder sobre a movimentação do processo envolvendo Ricardo e a gang:

PARECER VAI PRA GILMAR MENDES – PGR pede volta à prisão do “delinquente mais poderoso de todos” e nega soltura para seu irmão Coriolano

A Procuradoria Geral da República, acionada pelo ministro Gilmar Mendes sobre habeas corpus de Coriolano Coutinho com pedido de soltura, emitiu parecer, com data de 27 de dezembro, não apenas defendendo a manutenção das prisões, como ainda, de uma só penada, pede a revogação de decisão do ministro Napoleão Nunes Maia, que decretou a soltura do ex Ricardo Coutinho.

O procurador Humberto Jacques, no complemento de seu parecer, pede “a suspensão das liminares concedidas pelo Superior Tribunal de Justiça, em regime de plantão pelo Ministro Napoleão Nunes Maia nos habeas corpus”. E cita Ricardo Coutinho, Cláudia Veras, David Clemente, Francisco das Chagas Ferreira, além de Márcia Lucena, dentre os beneficiados pelo ministro Napoleão.

Pontua ainda o procurador: “O vértice da organização criminosa foi libertado pelo Ministro Napoleão Nunes Maia, bem como as Secretárias de Saúde e de Educação sob cujas gestões se operacionalizavam os esquemas de corrupção e drenagem de recursos públicos para organização criminosa nas Secretarias de Saúde e de Educação da Paraíba.”

E quanto ao pedido de soltura de Coriolano, postula: “A liberdade dos beneficiários das liminares aqui impugnadas enfraquece sobremaneira a eficácia do desbaratamento da organização criminosa, feita ao custo da liberdade de outros pacientes, da coragem de testemunhas e colaboradores, e do empenho devotado de agentes públicos comprometidos com o sucesso da persecução penal e a restauração da autoridade da lei e da ordem pública.”

Para o procurador, os irmãos Coriolano e Ricardo Coutinho “possuem igual poderio de intimidação e domínio sobre expedientes profissionais”, e chega, inclusive, a tachar o ex-governador de o “delinquente mais poderoso de todos”.