Presidente da Câmara desmoraliza Aguinaldo Ribeiro ao nomear novo relator para PL de Contribuição de Bens e Serviços indicado por W. Roberto

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), definiu os relatores da reforma tributária. O deputado Luiz Carlos Motta (PL-SP) será o relator do PL 3887/2020, que trata da união de PIS e Cofins com a criação da Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS). A indicação do deputado Luiz Carlos Motta (PL-SP) foi do deputado Wellington Roberto (PP) fruto de um entendimento firmado no início do ano, o que por se só desmoralizou o recente relatório feito pelo deputado paraibano Aguinaldo Ribeiro que é dá mesma sigla partidária de Arthur Lira.

Rota de colisão

Com a indicação de Luiz Carlos Motta para a relatoria do PL 3887?2020 ficou concretizado em definitivo a exclusão do trabalho feito pelo deputado Aguinaldo Ribeiro do (PP-PB). Ribeiro entrou em rota de colisão com Artur Lira deste a eleição da direção da Câmara.

 

ENTENDA O CASO – Já passou de dois anos o trabalho desenvolvido pelo deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) na tentativa de aprovar a reforma Tributária porém sem sucesso. Artur Lira agora entrega grande parte de responsabilidade de Reforma Tributária ao deputado Wellington Roberto que vem agindo nos entendimentos e nas articulações para aprovação em tempo recorde e com o aval do governo Federal.

 

A segunda parte da reforma, que tratará das mudanças no Imposto de Renda e tributação de dividendos, será relatada pelo deputado Celso Sabino (PSDB-PA). Os parlamentares têm certa proximidade com o presidente da Câmara, o que deve acelerar a tramitação, como pretende Lira.

 

O governo deseja avançar na reforma nos próximos meses. O primeiro projeto, que trata da CBS, já estava na Câmara desde o ano passado. Hoje, o ministro da Economia, Paulo Guedes, se encontrou com Lira na presença de outros dois ministros para entregar a segunda parte, que altera o Imposto de Renda. As demais fases da reforma tramitarão no Senado, paralelamente. Lá deverão ser discutidas as alterações no ICMS e ISS, IPI e a criação de um passaporte tributário nos moldes do Refis para que empresas regularizem sua situação com o fisco.

 

Redação