Pesquisa do Ibope confunde mais do que esclarece o cenário da disputa pela prefeitura da capital

A pesquisa divulgada neste sábado pela TV Cabo Branco confunde mais do que esclarece sobre quem vai para o segundo turno pela elasticidade da margem de erro, que é de 4 pontos para mais ou para menos.

O IBOPE teve mais preocupação de preservar a credibilidade, sem perder o freguês, do que propriamente orientar o eleitor mostrando com exatidão o cenário da disputa que envolve as forças políticas em confronto neste domingo na capital.

Pesquisa deixa cenário confuso e incerto sobre quem vai para o segundo turno

Ao se considerar a margem de erro todos podem estar no segundo turno a começar pela candidata de Cartaxo, Edilma, com seus 12 pontos que, se considerada a margem de erro para mais chegaria aos 16% da preferencia do eleito pessoense, embolando o cenário definitivamente, o que não deixa de ser uma probabilidade.

Em relação ao candidato do MDB há muito que vinha mostrando uma incapacidade de subir e provavelmente estacionou nos 15 pontos como revelaram as pesquisas anteriores, demonstrando ele a mesma capacidade de perder o folego, ao final da disputa, eternamente confirmada pelo seu patrocinador político, José Maranhão.

A incerteza comanda o pleito

Essa disposição de ficar para trás do MDB pode ser comprovada pela margem de erro, caso se subtraia 4 pontos dos 19 que a pesquisa sugeriu para Nilvan, ficando o medebista atolado nos 15 pontos percentuais, o que embaralharia ainda mais a disputa pela vaga no segundo turno.

E se for puxada para baixo (15%) então estaria configurado o desastre  e a tradição de transformar em palanque a demagogia que prolifera na radiofonia paraibana, onde animadores de auditórios se julgam capazes de administrar municípios, definitivamente sepultada.

Nilvan despencando de 15 para 11, essa tradição demagógica estaria definitivamente enterrada junto com o rapaz que inaugurou esse filão politico no estado, quando se elegeu prefeito de Bayeux.

Com relação ao candidato Ruy Carneiro tudo nele é suspeito e artificial a começar pelo sotaque carregado copiado dos morros cariocas. E, se a margem de erro for puxada para baixo, então, ele se encontraria dentro do pelotão dos desesperados, o que transforma a vaga para o segundo turno numa briga de foice em quarto escuro neste domingo.

Já Cícero navega em águas mais tranquilas mesmo que seja arrastado para baixo nesse cenário tempestuoso que a pesquisa estabeleceu. Com seus 27 pontos, praticamente confirma sua presença no segundo turno e vai esperar quem sairá vivo desse quarto escuro, onde a foice vai arrancar cabeça de gente.

Arrasador mesmo o desempenho de Ricardo Coutinho que, se for arrastado pela margem de erro despenca numa melancólica pontuação que pode levá-lo aos 6 pontos percentuais, o que seria a sua canção do cisne.