Parlamentar exalta diminuição de morte por Covid-19 na Capital

O avanço da vacinação e a consequente diminuição de mortes em decorrência da Covid-19 foi tema de pronunciamento do vereador Odon Bezerra (Cidadania) na sessão desta terça-feira (19), da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP). O parlamentar acrescentou que é a favor exigência da vacinação contra a Covid-19 na Capital.

“Ontem, me deparei com uma notícia extremamente alvissareira: nenhuma morte por Covid-19 na cidade e no Estado. Os números são inversamente proporcionais: à medida em que a vacinação cresce, diminui o número de casos e de mortes”, afirmou o parlamentar, salientando que o avanço da vacinação foi o responsável pela diminuição do número de óbitos pela doença.

Odon Bezerra, que é presidente da Comissão de Constituição, Justiça, Redação e Legislação Participativa (CCJ) da Casa e relator do projeto que institui o passaporte sanitário na Capital, posicionou-se a favor da medida. “Disse e repito que a questão da exigência da vacinação não é nova no Brasil. Só se viaja ao Norte do país se tiver tomado a vacina contra a febre amarela. A ciência e medicina evoluíram, vou defender amanhã na CCJ com veemência a exigência do passaporte para proteger o meu direito de estar em um ambiente sadio com pessoas sadias. A vacina provoca a segurança que precisamos ter no mais breve espaço de tempo”, defendeu.

O vereador Marcos Henriques (PT) concordou com Odon Bezerra. “Nove entre dez pessoas internadas com Covid-19 não tomaram a vacina. Se o Brasil tivesse medianamente cuidado como deveria, teríamos 177 mil mortes no lugar de 600 mil. Tanto o governo do Estado e a prefeitura estão tratando o assunto com responsabilidade, e aqui nesta Casa não podemos ir contra a ciência e ao que o mundo está fazendo. A única forma de combatermos essa doença é pela vacina e temos que lutar por ela”, enfatizou.

Odon Bezerra repudia críticas à CNBB e ao papa Francisco

O vereador ainda revelou seu voto favorável a Voto de Solidariedade à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e ao Papa Francisco por críticas do deputado estadual de São Paulo Frederico D’Avila (PSL). “Me acosto a todos que passaram por essa tribuna para repudiar a agressão injusta, vil e traiçoeira do parlamentar Frederico D’Avila. Aquelas palavras atingem todo um povo. Essa agressão fere tudo que a nossa Constituição consagra”, afirmou, acrescentando que o deputado deve ser punido dentro do conselho de ética da respectiva Casa.

“Gostaria de me somar ao pronunciamento de vossa excelência. O sacerdócio é uma vocação para pessoas que pregam e vivem o amor. As palavras do arcebispo Dom Orlando foram uma exaltação à fraternidade, amor e aos laços de união que devem existir entre as pessoas. As palavras do deputado foram palavras de ódio e de divisionismo. Não é isso que prega o evangelho. Me senti profundamente ofendido e me fiz representado nas palavras de vossa excelência”, afirmou o vereador Bruno Farias (Cidadania), acostando-se ao pronunciamento de Odon Bezerra.