Paraíba avança em Educação Profissional e Técnica e cria oportunidades para jovens no mercado de trabalho

“Sempre fui um garoto sonhador, cheguei na escola com diversos projetos de vida, e a escola mostrou que eu era capaz, me fez focar em algo que eu pudesse crescer e desenvolver para me tornar um profissional diferenciado”. O relato é do estudante egresso da Escola Cidadã Integral Técnica Olivina Olívia, Matheus Pantaleão, onde fez o curso Técnico em Administração, e hoje é um dos que conquistoaram uma vaga no mercado de trabalho como auxiliar administrativo, por meio do Programa Primeira Chance, do Governo do Estado.

Encontrar a vocação e se preparar para o primeiro emprego é um dos momentos mais importantes para jovens e adultos. Tendo a escola um papel fundamental nesse percurso, a Secretaria de Estado da Educação e da Ciência e Tecnologia da Paraíba tem investido na ampliação de vagas em programas educacionais nas modalidade de Ensino Profissional e Técnico nas Escolas Cidadãs Integrais Técnicas (ECITs), Pronatec, Mediotec, Paraíbatec e Educação Profissional e Tecnológica (EPT), que auxiliam os estudantes e jovens trabalhadores, tanto na área acadêmica e de forma inovadora, darem o primeiro passo para a experiência profissional através do Programa Primeira Chance.
Em 2021, já são mais de 27 mil alunos matriculados nesta modalidade. O ensino profissional técnico cresceu 155%, nos últimos três anos. Considerando também as matrículas de ensino profissionalizantes, houve um crescimento de 185% no mesmo período.
Segundo o secretário de Estado da Educação, Claudio Furtado, o ensino profissional e técnico fortalece o projeto de vida dos estudantes. “Os cursos que estão sendo ofertados nas Escolas Técnicas são alinhados com a necessidade dos arranjos produtivos locais. Isso é uma maneira de fortalecer o desenvolvimento regional, produzindo profissionais. Por exemplo, é o caso da região do sertão, onde a Paraíba possui grandes polos de produção de energia solar e eólica. Há cursos voltados para as cadeias das energias renováveis desta região. Portanto, os jovens que vão terminar o curso, poderão ser inseridos no mercado, ou seja, garantido empregabilidade na sua própria região”, ressaltou.
E pontuou: “Através de um curso técnico, o estudante pode descobrir uma aptidão para uma determinada área e avançar para um curso de nível superior e cada vez mais incorporar conhecimentos à sua carreira. Além disso, temos programas de estágios, que fazem com que o aluno possa estagiar em empresas privadas ou instituições públicas do Governo do Estado que são, por exemplo, os jovens que estão no Centro Integrado de Operações da Paraíba (Ciop) ou que estão em nossos museus. Isso possibilita que o nosso estudante desperte para uma determinada profissão, porque a prática fortalece o projeto de vida dos nossos estudantes”.