“Para quem é de fora milhão e pra quem é do Conde, tostão”, esse é o lema vigente na gestão de Márcia Lucena

Chama atenção certas situações na vida administrativa de Conde, uma espécie de laboratório político do PSB, partido que serviu para parir a figura mais controvertida dessa fauna tão controvertida e que abriga as mais diversas espécimes: a classe política. Entre elas, o camaleônico Ricardo Coutinho, capaz de se disfarçar de tudo, inclusive de respeitável, com arrotos de dignidade suficientes para enxovalhar adversários, e que tangeu para o município parte de sua arrogante tropa de choque.

Apesar de já grandinho, esse caboclo mama a vontade

Nesse ambiente tão efervescente e diversificado, evoluiu e prosperou uma parcela dessa fauna, que migrou para o litoral sul e, ao exemplo dos pardais, hostilizando os nativos, ocupando os postos estratégicos do município superlotados por forasteiros, que empanturram a folha de pagamento, abocanhando gordos salários em detrimento de reconhecidos e reputados servidores locais, cuja folha de serviços prestados à cidade é inquestionável e reconhecida.

Papai e mamãe também são bons de peito

Uma das mais fortes características do governo de Márcia Lucena (PSB) na cidade do Conde é a “importação” de mão de obra. Grande maioria dos contratados e comissionados da prefeitura são de fora do munícipio. E os poucos cidadãos condenses ou radicados na cidade que trabalham na gestão estão sempre em cargos de pouca relevância e com salários mais baixos.

Debaixo das asas do poderoso chefão

Chega a ser escandaloso o fato de uma mesma família ter três pessoas em cargos comissionados na gestão. Isso mesmo, pai, mãe e filho trabalham na gestão de Márcia e ainda moram em uma casa na granja da família de Márcia.

Matando a cobra

Os dados do Sagres são públicos e comprovam a denúncia. Emerson Lima Ribeiro é Coordenador de Patrimônio da Prefeitura, recebe mensalmente o valor de R$ 4.000,00. Ele é casado com Sandra Regina de Azevedo Lima, que é Coordenadora de Gestão de Pessoas e recebeu em média, R$ 4.733,00.

E mostrando o pau

O filho deles, Joel Cavalcanti de Miranda Neto também é comissionado da Prefeitura, é Chefe de planejamento do departamento de Marketing da Secretaria de Turismo e recebe mensalmente pouco mais de R$ 2.186,00 nos meses de janeiro a março. Os três juntos levaram para casa quase R$ 11.000,00 por mês.

Essa também sabe dar de mamar

Chama atenção a comparação dos rendimentos dos ilustres desconhecidos com uma figura pública que já contribuiu muito com a cidade. A ex-vereadora, ex-chefe de gabinete do prefeito e durante muito tempo, poderosa no meio político do Conde, Tânia Pimentel. Lotada como assessora no Gabinete da prefeita, ela recebe R$ 2.800,00 ao mês.

Já Tânia, de casa, não faz milagre

Chega a ser absurdo que uma pessoa com tanta história e serviço no município do Conde não tenha a oportunidade de contribuir mais com a cidade e não seja valorizada devidamente. Tânia não é a única nessa situação. Quem é do Conde não tem vez e muito menos voz no governo do PSB.