Caso perdido: Nilvan comete “assalto” nas esquinas da capital e dá baque em campeão mundial

Insaciável o apetite do candidato do MDB, Nilvan Ferreira, para o engodo, a trapaça vil sem olhar quem prejudica, quem sai ludibriado pela sua enorme capacidade de dissimular suas intenções abjetas.

Maior que a dele só a de seus homens de confiança, aqueles que saem às ruas para montar suas arapucas e engolir o dinheiro dos tolos, dos que se deixam sensibilizar pela sua lábia de estelionatário, potencializada pelos microfones dos sistemas que trabalha.

Irrecuperável, o afilhado de Maranhão

Seus objetivos, sempre e sempre, voltados para esvaziar os bolsos de gente como o pobre Rômulo Martins, campeão ansioso para defender o titulo mundial nos Emirados Árabes, e que acreditou na campanha benemérita de um refinado trampolineiro armada nas ruas para sensibilizar os tolos e com intenções voltadas para construir a imagem de bom moço, consumando um plano de assalto a prefeitura da capital.

De boa fé e confiante que chegaria aos Emirados Árabes, Rômulo Martins emprestou a imagem e a causa para amealhar os custo de sua viagem ao local da disputa, mas foi surpreendido pela astúcia de Nilvan, que não hesitou junto com o parceiro Hugo abocanhar o dinheiro arrecadado nas esquinas da cidade que pretende administrar com tanto empenho e dedicação, adotando os métodos fraudulentos que norteiam sua índole criminosa.

Rômulo Martins hoje brada indignado atrás de um dinheiro que devia ter ido parar na sua conta, mas foi desviado para a de Hugo eficiente batoteiro que, inspirado no chefe apossou-se da grana arrecada junto aos desavisados contribuintes, assaltados nas ruas  e esquinas da capital pela gang do microfone.

Indignado, Rômulo postou vídeo nas redes sociais, cobrando o dinheiro que irrigou os bolsos sem fundo do animador de picadeiro de circo, aos brados: Cadê meu dinheiro? Um alerta aos que ainda acreditam na pose de bom moço que o estelionatário do rádio ostenta com a maior cara de pau

É esse estilo de gestão versada em cavar poços sem fundos, falsificar etiquetas de grife, chantagear e extorquir, trambicar e mentir que se propõe assumir o comado da cidade neste domingo.

Você, eleitor, decide.