MPT pede indenização de R$ 2 milhões por evento pró-Bolsonaro em frigorífico

MPT (Ministério Público do Trabalho) quer que o frigorífico suspeito de pressionar os funcionários a vestirem uma camiseta com o slogan e o número do presidente Jair Bolsonaro (PL) seja condenado a pagar mais de R$ 2 milhões em indenização por danos morais. (via Folha de S. Paulo)

O evento, revelado pela Folha, foi organizado na quinta-feira (20) pelas empresas Serradão e Frigobet, que são do mesmo dono. Um empregado relatou à reportagem que o frigorífico também prometeu doar um pernil para cada funcionário caso Bolsonaro seja reeleito.

O caso chegou ao MPT através de uma denúncia anônima com vídeos e fotos. A oferta de pernil também consta no relato enviado às autoridades. O ato foi organizado no horário de almoço dos empregados e contou com a participação do deputado federal Mauro Lopes (PP-MG).

“[Dono] fez falas pedindo voto para Bolsonaro, dizendo para não votar em Lula com discurso apelativo e mentiroso, dizendo que o Brasil pode entrar em guerra com a vitória de Lula e a empresa fechar. Ainda, disse que quem votar no Bolsonaro e levar na segunda-feira uma comprovação do voto, ganhará um pernil da empresa”, diz trecho da denúncia.

O MPT tentou assinar um acordo exigindo uma retratação pública, mas as empresas não se manifestaram. Além da indenização de R$ 2 milhões, o MPT pediu à Justiça que o frigorífico seja condenado a pagar R$ 2 mil para cada um dos empregados.

Os procuradores alegam que houve assédio eleitoral contra os trabalhadores e “propagandas de cunho político-partidário nas instalações” da empresa, “ainda que de forma velada e indireta”. A legislação proíbe propaganda eleitoral nos chamados bens de uso comum, que incluem estabelecimentos privados.

“Todo esse cenário acima transcrito evidencia que está acentuado o risco de que os fatos narrados tenham impacto na liberdade de consciência dos trabalhadores das requeridas e no livre exercício do direito de voto no pleito eleitoral”, afirmam na ação.

A reportagem procurou as empresas nesta quarta (26), mas não conseguiu contato com nenhum responsável. O dono do frigorífico é o produtor rural e empresário Silvio Silveira, presidente da Afrig (Associação de Frigoríficos de Minas Gerais, Espírito Santo e Distrito Federal).

Na sexta (21), Mauro Lopes afirmou à reportagem que cerca de 2.000 pessoas participaram do ato, que ele tem feito isso em todos os frigoríficos de Minas Gerais e que também vai pedir votos para Bolsonaro em empresas de ônibus.

A diferença entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Bolsonaro em Betim foi de apenas 807 votos no primeiro turno. O petista recebeu 106.684 votos, 45,78% do total. Já Bolsonaro teve 105.877 votos, 45,43%.

 

Veja matéria na Folha

Foto: Reprodução