Luciene protege a Secretaria das Mulheres e afugenta as raposas do galinheiro

Um resquício de bom senso parece ter orvalhado a gestão da prefeita Luciene de Fofinho tão chegada ao despudor e a total ausência de recato, demonstrado nas relações estreitas com o mundo da contravenção e com notáveis ultrajadores da dignidade feminina, ao ponto dessas figuras tenebrosas se fazerem representar na sua equipe de Governo.

Adeus, emendas…

Depois de uma sequência de matérias deste portal revelando o ultraje que seria a participação de proclamados assediadores e aliciadores de mulheres na sua gestão, através de prepostos, cuja estatura moral se equipara a do padrinho, Luciene fez um jogo de esconde-esconde retirando da vitrine essa escolha infeliz, removendo a protagonista oxigenada para lugares mais discretos, onde sua comprometedora imagem não possa chamuscar a gestão.

Não se sabe se a afilhada do bicheiro reúne as condições técnicas indispensáveis para assumir as novas funções, mas, só em ser removida para a obscuridade, já seria muita coisa em se tratando de quem só serve para alimentar as labaredas da vaidade, um dos pecados capitais.

Zezito perde força aos poucos, sangra lentamente e como todo lobo ferido terminará sendo engolido pela alcateia.

Luciene parece ter acordado para o perigo e atentar para o risco de continuar respondendo pelas ações criminosas de terceiros, cuja voracidade pelo dinheiro público é insaciável.

Ao final, a prefeita espanta as raposas do galinheiro.