Lista da CINEP confirma espionagem no Estado e também a disposição de João em promover reforma administrativa; nomes sugerem substituição e são grafados como “Fantasmas e sabotadores”

Já chegou à alçada da Polícia Civil as investigações para identificar a tentativa de invasão ao sistema de informática da CINEP, na última quinta-feira, quando uma pane nos computadores alarmou o presidente do órgão, Romulo Polari, ao ponto de convocar a Polícia para investigar o fato e descobrir os autores ou autor da espionagem ou sabotagem como definiu o governador, essas ações contra sua gestão.

Na lista, sabotadores e fantasmas são destaques

O objetivo da invasão seria obter uma lista contendo nomes de servidores que poderiam ser substituídos numa reforma que parece iminente haja vista o teor do documento, onde os nomes listados sugerem substituição justificada pela falta de confiança que inspiram e pelas estreitas ligações com o ex-governador Ricardo Coutinho e ainda são apontados como supostos sabotadores.

Outros, classificados como aqueles que não trabalham e seriam protegidos de expoentes da gestão passada que, confiados no apadrinhamento não compareciam ao expediente muitos morando em cidades distantes do local de trabalho e sem frequência confirmada.

Pela lista da CINEP, o entulho deixado por Ricardo será removido

A lista fica evidente seria um mapeamento na CINEP com o objetivo de orientar o governador na substituição dos quadros do órgão limpando o Governo da borra socialista ainda encravada na máquina do Estado.

Para quem duvidava da intenção de João Azevedo de promover uma faxina na administração estadual a Lista da CINEP remove qualquer dúvida e a turma do PSB pode ir arrumando as malas e transferir o endereço para prefeitura caso a Justiça Eleitoral não atrapalhe essa diáspora socialista.

O presidente da CINEP, não apenas solicitou a presença da Polícia Civil, como reivindicou uma perícia para tentar identificar a origem do ataque, algo que estaria se tornando comum nessa gestão, depois de confirmado o racha entre Ricardo Coutinho e João Azevedo.

João teria solicitado lista para substituir sabotadores e fantasmas

O próprio governador denunciou essas ações, quando de sua carta à população, justificando seu rompimento com o ex-aliado motivado, entre outras razões, por ações de sabotagem e boicote, deixando, no entanto, de apontar a espionagem, que já havia sido denunciada pelo secretário de segurança e confirmada pela prisão de um espião militar, rondando seu gabinete e também sua família.

Entre espionar, sabotar e boicotar quase não há diferença, já que o objetivo é praticamente o mesmo – destruir o adversário, e essas ações estariam minando a gestão de João Azevedo.

O vício do cachimbo

Uma velha e corriqueira atividade, que já teve por alvos as mais diversas autoridades do estado entre elas ex-governadores, senadores, ex-prefeitos, prefeitos e presidentes da Assembleia (sem que nada tenha sido revelado pelas investigações solicitadas à época) volta ser detectada e novamente o próprio Governo é alvo dessa investida criminosa numa desfaçatez de quem age em terra sem Lei.

Autoridades já sabem onde se acoitam os espiões e sabotadores

Após insólita prisão de um espião P2, lotado no gabinete do comandante geral da PM, surpreendido e preso, depois de cinematográfica perseguição pelas ruas – e de instaurado inquérito que se arrasta a passos de cágado pelos bastidores do Governo -, outro órgão do Estado é alvo de audaciosa invasão cibernética e, mais uma vez, a Polícia é solicitada para investigar ações, cujos rastros já teriam um caminho desenhado, apontando onde e como estariam sendo comandadas essas atividades, já não tão nebulosas assim.

A invasão da última quinta-feira aos computadores da CINEP, entre eles o do presidente do órgão, Rômulo Polari, teria por objetivo uma lista contendo o nome de servidores ligados ao ex-governador Ricardo Coutinho e que poderiam ser substituídos numa provável e iminente reforma.

Outros dados também teriam sido removidos numa ação de destruição de provas já que o órgão seria um dos alvos da Operação Calvário. Agentes da Polícia Federal teriam visitado a CINEP, e isso causado rebuliço e aflição na gestão passada.

Muita gente pode desembarcar do trem da CINEP

A lista contendo os nomes dos servidores relacionados como seguidores e aliados do ex-governador seguiria para conhecimento do governador João Azevedo dando a ele um panorama para as prováveis substituições, o que deixa transparecer a firme determinação do governado em promover uma reforma drástica em sua equipe, o que deve incluir espiões e sabotadores como fica explicitado ao lado de alguns nomes, sublinhado com esses adjetivos tão em voga no momento.

Então, para quem é chegado invadir a privacidade alheia e faz disso meio de vida e de garantir prestígio e poder junto às organizações criminosas, e cuja sombra do anonimato não pode mais esconder seu perfil tenebroso, seria bom ir se acautelando porque o fim parece próximo.