João pode adotar medidas específicas que contemplem as mulheres empreendedoras

É sempre nas crises e momentos cruciais que os governantes se diferenciam e alguns conseguem projeção para a história em decorrência da postura e das medidas que adotam.

Pelo mundo e pela história do mundo são muitos os exemplos de homens públicos que conquistaram o reconhecimento dos seus contemporâneos pela coragem e determinação com que enfrentaram as calamidades.

Para não ir muito longe no tempo nem ultrapassar fronteiras pode-se citar como exemplo acabado desse perfil de líder político, ousado e sensível, o ex-governador Tarciso Burity, que assumiu o Estado num dos momentos mais cruciais, quando o flagelo da seca dizimava homens e animais no Sertão da Paraíba.

Nesse instante dramático, ele foi obrigado tomar decisões que suprissem a ausência do Governo Federa historicamente insensível a essa tragédia climática que, secularmente se abate sobre o Nordeste.

Era algo que se assemelhava ao coronavírus guardando-se as dividas proporções, e que exigia do governante tirocínio e coragem para assistir uma massa humana entregue à própria sorte e a sua sina secular castigada inclementemente pelo sol e cuja cujas consequências já tinham tragados vidas de inocentes como de uma criança que saiu em busca da mãe pela caatinga e morreu num episódio que comoveu o país, já que ganhou as manchetes dos jornais da época.

A morte da criança, que saiu a procura da mãe, empregada nas frentes de emergência, único socorro concedido pelo Governo federal cujos recursos se perdiam nos labirintos da corrupção, comoveu e inspirou o então jovem governante (41 anos) a tomar uma decisão que escreveu seu nome na memória e no coração dos nordestinos, e dos paraibanos em particular.

Tarcísio Burity e sua decisão de proteger as mulheres paraibanas

Burity assumiu o pagamento das mulheres empregadas nas frentes de emergência com recursos do estado e possibilitou que elas ficassem em casa cuidando dos filhos, impedindo que tragédias que ceifou a vida da criança se repetissem.

Entrou para a história e fez jus à gratidão dos paraibanos e nordestinos por esse gesto de extrema sensibilidade e humanismo.

Diante da calamidade promovida pelo coronavírus, o governador João Azevedo tem a oportunidade de escrever seu nome na lembrança dos paraibanos, e já começou ao decretar essas medidas econômicas e sociais que divulgou ontem.

Foi um cenário como esse que inspirou a decisão de Burity de retirar as mulheres das frentes de emergência

O ‘Relatório Especial Empreendedorismo Feminino no Brasil’ realizado pelo Sebrae mostra que as mulheres paraibanas respondem por 34% dos ‘donos de negócios’ e a maioria, 81%, não possuem sócios nas empresas. Falta agora contemplar essas guerreiras de forma que elas possam emprestar seu apoio indispensável aos filhos sem desfalcar a economia.

O mundo hoje é praticamente das mulheres empreendedoras, e elas precisam desse amparo e apoio para exercerem o papel insubstituível que a Natureza e Deus lhes reservaram.

Fica a sugestão para a equipe de Governo empenhada no combate a pandemia. (Jampanews)

Mais de 25 mil famílias não pagarão por água na PB até junho

Os usuários da Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa) que estão inseridos na categoria Tarifa Social terão a cobrança de suas faturas suspensas. A medida foi anunciada nesta quinta-feira (2) pelo governador João Azevedo (Cidadania) e beneficia mais de 25 mil famílias paraibanas. O objetivo do Governo do Estado é garantir maior tranquilidade financeira ao orçamento de famílias no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus, causador da doença Covid-19. O presidente da Cagepa, Marcus Vinícius Fernandes Neves, explica que o Governo do Estado vai arcar com o pagamento dessas contas durante 90 dias e a companhia já está se preparando para este período.

“A Cagepa já começa a emitir as faturas desta categoria sem o código de barras e com a informação de que a conta já está quitada pelo Governo do Estado até o mês de junho deste ano. Como gestor da companhia, eu parabenizo mais uma vez a postura do governador João Azevedo em não fugir da responsabilidade em prestar assistência à população mais carente nesse período de pandemia. A Cagepa – como integrante desse time – também está aberta para fazer parte dessa corrente pelo bem estar coletivo”, afirmou.

Marcus Vinícius também destacou que os clientes que já receberam tarifas referentes ao mês de abril e efetuaram o pagamento podem procurar a companhia pelos canais de atendimento – 115, agência virtual ou aplicativo Cagepa – para que os valores sejam devolvidos.

O chefe do Executivo também garantiu a manutenção do abastecimento de água para os clientes residenciais que, eventualmente, diante de alguma crise financeira neste período de pandemia, atrasem o pagamento das suas contas de água. “Além de ajudar a população garantindo a continuidade no abastecimento da água, que é um bem extremamente importante na prevenção contra a Covid-19, a medida estimula o uso racional. Os clientes que conseguirem se manter nessa faixa de consumo terão o abastecimento assegurado até junho”, esclareceu o presidente da Cagepa.

As famílias paraibanas com renda de até um salário mínimo por pessoa recebem desconto nas contas de água. A Tarifa Social existe desde 2004, e beneficia 26 mil imóveis. Os clientes que pagam a tarifa normal para ter acesso a até 10m³ de água tratada e à rede de esgotos desembolsam R$ 68,24. Já os beneficiários da Tarifa Social pagam R$11,62 pelos dois serviços, ou seja, há um desconto de 83% em relação ao valor original. O último reajuste para os clientes desta categoria foi realizado no ano de 2011.