João adquiriu imunidade e pode andar com relativa segurança no ambiente contaminado da política

Imunidade é a palavra de ordem hoje no planeta e o seu significado e importância não fugiram do campo político. Em razão disso, alguns representantes dessa atividade tão contaminada como o governador João Azevedo se esmeraram em adquiri-la ao ponto de não correrem mais riscos no corpo a corpo da luta que se avizinha.

Organismo ainda recente na contaminada atmosfera desse planeta, João Azevedo foi construindo aos pouco a sua imunidade desde quando conviveu com as cepas mais vigorosas desse universo viral.

João foi buscar sua imunidade no vigor das ruas ao se conectar com os anseios e necessidades do povo e não recuar diante da necessidade de decretar medidas restritivas de isolamento social enfrentando a fúria cega e insana dos setores mais radicais que surgiram na esteira do bolsonarismo.

Inflexível, fez valer as recomendações das autoridades mundiais de saúde e hoje o estado desponta entre os que melhor desempenho apresenta no enfretamento da pandemia.

Ao tempo que cuidava da vida, João cuidava da economia incrementando ações que aqueceram a atividade econômica ao destinar mais de 400 milhões reais para setores de serviços e infra-estrutura.

Sensível, o Governador não desviou o olhar da tragédia da fome e criou o Tá na Mesa, programa social de tal extensão que foi adotado em sua integralidade pela classe política, através da Assembléia Legislativa.

Achou pouco adotou o perdão de dívidas para segmentos como o de motoristas e motociclistas que podem parcelar o emplacamento de seus veículos.

Com essas medidas e ações, João adquiriu imunidade e pode circular com certa tranqüilidade no ambiente contaminado da política, mas sempre atento para o surgimento de novas cepas.