Jeová requer audiência para debater decisão do governo de não construir o HU do Sertão

O deputado estadual Jeová Campos (PSB) protocolou, no último dia 05, um requerimento de realização de audiência pública, em data e local a serem definidos, com o objetivo de debater sobre a construção do Hospital Universitário do Sertão da Paraíba, a ser edificado na cidade de Cajazeiras, pela Universidade Federal de Campina Grande – UFCG. Em sua justificativa, Jeová alega que a sociedade civil organizada luta intensamente desde 2014 pelo equipamento, tendo sido, inclusive, anunciada a sua entrega em 2018, algo que não foi feito e o governo federal continua sem respostas para a liberação dos recursos para edificação do equipamento.

Em seu requerimento, o parlamentar afirma que “a sociedade sertaneja foi tomada de surpresa com a informação de que, apesar da verba de R$ 25 milhões estar disponível em caixa, a construção do Hospital Universitário do Sertão poderá não acontecer, e desconhecemos os reais motivos que levaram o governo federal a tomar esta absurda decisão”. Ele também destaca que a obra é de extrema importância para o alto sertão paraibano, principalmente, no tratamento de alta complexidade, que atualmente só é possível nos grandes centros.

Jeová também ressaltou a importância sociocultural e econômica de Cajazeiras. Ele citou os diversos órgãos que existem na cidade, bem como agências bancárias; concessionárias de veículos; shopping center com lojas de franquias na áreas de consumo e alimentos; aeroporto de porte regional, construído recentemente, que em breve irá operar voos comerciais; rede hoteleira, área de comunicação, dentre outros, inclusive as escolas de nível superior de Medicina, cujos alunos precisam de outro espaços para estágios.

“Cajazeiras possui um elevado potencial econômico e social, com vários projetos e empreendimentos de elevado porte instalados que são os maiores contribuintes de ICMS da Paraíba, a exemplo do Armazém Paraíba, Gonzaga Indústria, Comércio e Representação, Lojão Rio do Peixe, Distribuidora de Bebidas Rio do Peixe, Fiação Patamuté, e o contribuinte Francisco de Sousa Pires Armazém, no município de São João do Rio do Peixe, representante do segmento de comércio atacadista de cereais e legumes”, disse ele.

No contexto da educação, Jeová Campos mostrou a pujança da UFCG na cidade. “Cajazeiras, conhecida como “a cidade que ensinou a Paraíba a ler”, possui um Campus da UFCG e um Campus do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia – IFPB, várias faculdades privadas, que ministram cursos de direito, medicina, enfermagem, odontologia, serviço social, engenharia civil, arquitetura, ciências da computação, entre outras importantes graduações”, salientou.

“Em Cajazeiras existem 05 (cinco) Varas da Justiça Comum Estadual e um Juizado Especial Misto, sede de 05 (cinco) Promotorias de Justiça, Agência Regional do Ministério do Trabalho, Agência da Receita Federal, Coletoria”, disse o deputado. Além disso, Jeová também trouxe a informação de que Cajazeiras será a sede da Zona Franca do Semiárido nordestino, conforme texto da Proposta de Emenda Constitucional nº 019/2011, que tramita no Congresso Nacional.

Com tudo isso, o deputado requer a audiência pública para discutir os motivos que levaram o governo federal a decidir pela não construção do hospital. “Sabemos do desenvolvimento de uma região com a implantação de uma zona franca. Milhares de postos de trabalho serão gerados. Portanto, entendemos que é necessário a Assembleia Legislativa da Paraíba promover uma Audiência Pública com o objetivo de debater sobre a decisão do governo federal em não construir o Hospital Universitário do Sertão, bem como evitar que a verba já assegurada de R$ 25.000.000,00 não seja retornada aos cofres da União Federal”, conclui Jeová.

Vale frisar que parte da edificação do hospital foi assegurada pelo governo federal, por meio de emendas parlamentares, no ano de 2019, de R$ 25 milhões de reais. De acordo com o projeto, o Hospital Universitário será construído ao lado do Campus da UFCG em Cajazeiras, com capacidade de 200 leitos (145 gerais, 20 de UTI adulta, 15 de UTI pediátrica, 10 de UTI neonatal e 10 de UCI), além de centro de imagens avançado; unidades de Patologia e Citopatologia; centro de hemodiálise com 20 leitos; centro de média e alta complexidade em nefrologia; serviço cardiovascular, entre outros.