Fim dos tempos: Márcia “esconde” a tornozeleira no Podcast e reabilita pedófilo afastado pelo Vaticano

O Conde de Márcia Lucena não apenas se transformou em reduto do rebotalho socialista como também em refúgio seguro para aqueles que de alguma forma afrontaram as leis.

O Conde virou refúgio do rebotalho socialista e asilo da pedofilia

Vivendo de alavancar sua reputação estraçalhada pelos estilhaços da Operação Calvário com golpes midiáticos, onde se apresenta como professora, gestora, e outros berloques que tentam enfeitar sua trajetória turbulenta, Márcia optou por omitir sua condição de presidiária em liberdade restritiva ao alardear proezas no Podcast Beneditinas como enfatiza seu perfil no espaço de onde se apresenta como vanguardista e modelo de gestora pública.

Márcia ignorou o repúdio do Vaticano ao padre acusado de pedofilia

O nível de promiscuidade moral que atingiu a política no Estado permite a Márcia se exibir sem nenhum pudor, sem nenhum recato, ignorando solenemente todos os atropelos que lhe atingiram depois que foi identificada como uma das peças chaves do esquema criminoso que o Gaeco desbaratou.

Márcia debocha da Igreja e festeja retorno de Severino

Márcia não apenas festeja e se apresenta no Podcast como “Sou Márcia Lucena, professora de artes, feminista, gestora pública, mestre em Serviço Social, ex secretária estadual de educação, ex presidente da Fundação Cultural do Estado, hoje prefeita do município de Conde/PB.”, mas também omite descaradamente as complicações judiciais em que está embrulhada num exercício de amnésia que estarrece quem conhece sua história.

O Vaticano disparou raios contra o padre, mas Márcia lhe concedeu asilo

Mas tudo é pouco para a ilustre discípula de Ricardo Coutinho e numa demonstração de pouco caso para com a opinião pública e para com a sociedade de Conde, Márcia reintegrou na sua equipe de Governo a figura combalida do padre Severino cujos crimes abalaram o Vaticano ao ponto de cassar suas prerrogativas de sacerdote.

Padre Severino respondia pelo crime de pedofilia e por isso foi afastado pelo Papa de sua funções religiosas diante das denúncias de que adotava práticas sexuais que violavam a inocência daqueles que Cristo fez questão de ter por companheiros.

O padre foi proibido de exercer os votos sacerdotais

Esse crime hediondo, onde a virgindade de crianças teria sido violada pelos apetites sexuais do sacerdote, o que horrorizou o Papa, não foi considerado pela prefeita de Conde, cujos hábitos e preferências parecem se assemelhar aos revelados pelo padre no processo movido pela Igreja Católica; ele que lhe abriu as portas da prefeitura, e por isso seu retorno tem cheiro de gratidão.

Depravação, corrupção, e outras aberrações e crimes que caracterizariam a organização criminosa fundada por Ricardo já foi denunciada em vídeo por uma ex-babá do filho do Poderoso Chefão, contando, em detalhes, as orgias praticadas na Granja Santana, que, pelo visto, mudou de endereço e se instalou no litoral sul às expensas de Márcia.