Euller resiste às investigações do Gaeco, mas não escapa aos impropérios dos colegas de farda

Apesar de todos os percalços morais e jurídicos que lhe atingem o comandante da Polícia Militar, Euller Chaves, segue intocável no cargo desafiando a tudo e a todos, inclusive os conceitos de moralidade e probidade que regem o estado.

Inegavelmente uma peça chave – sem trocadilho – no esquema hoje irrefutavelmente criminoso desbaratado pelas investigações da Operação Calvário, com impressões digitais indeléveis em episódios de espionagem e outras atividades, atribuídas ao irmão do ex-governador Ricardo Coutinho, Coriolano Coutinho, o comandante permanece irremovível e inabalável zombando da sociedade sem dar nenhuma explicação sobre essas suspeitas, mais do que suspeitas, com essa organização criminosa, já não mais suspeita e sim delatada.

Euller foi peça de destaque nesse governo comprovadamente criminoso agindo fora da lei e acima da lei ao se arvorar de missões que a Constituição não lhe confere como a de Polícia Judiciaria num acordo até hoje não explicado com o Ministério Público que lhe cedeu de forma oficiosa aparelhos de escutas clandestinas como o desaparecido AIKO, até que o Gaeco constatou que procuradores vinham sendo monitorados por arapongas, ligados a P2.

Já está mais do que comprovado que os arapongas trabalham ao lado do gabinete do coronel

Revelados os crimes da organização chefiada por Ricardo Coutinho, abatidos os membros que formavam a coluna vertebral do esquema criminoso, Euller sobrevive de forma inexplicável mesmo todos os rastros, do que fora denominado, forças policiais a serviço de Coriolano, se dirijam para seu gabinete.

Eles permanecem intocáveis no Governo de João

Esse é um mistério que o Gaeco ainda não decifrou e que mostra o poder de blindagem do comandante mantido fora do foco das investigações apesar do comprovado envolvimento de agentes subordinados diretamente a ele e ao seu gabinete.

O passado de Euller é uma galeria de medalhas e outros mimos distribuídos com figurões do mundo jurídico, onde laços de afetividade e cumplicidade teriam fortalecido essa blindagem, e explicado e justificado essa capacidade de sobrevivência, respaldada em segredos que nem o Gaeco desvendou.

Euller nunca escondeu sua lealdade e fidelidade ao chefe do esquema criminoso

Mas nem tudo é céu de brigadeiro para o comandante geral do esquema girassol de inesquecíveis declarações de gratidão e fidelidade ao supremo chefe da organização criminosa.

Nessa trajetória de adulações ao Poder, ele sofre duras e severas críticas dentro da caserna promovidas por coronéis da reserva que fazem sérias e graves restrições ao caráter do coronel.

Taxado de “Bundão, covarde e frouxo”, por coronéis de liderança dentro da instituição, Euller vem sendo moralmente massacrado por essa oposição fardada como pode se constatar pelas declarações em espaços nas redes sociais, que destacamos abaixo.

Costa nunca escondeu seu desprezo pelo caráter subalterno de Euller

A primeira delas consta do espaço do coronel Arnaldo Costa, um contumaz e severo crítico do comandante:

“Companheiros. Parece que estamos esquecendo quem é o JA. Ele é criatura de um socialista/comunista ladrão. Portanto, não tem caráter.

Arrisco-me a dizer que ele não chegará a um acordo com os reclamantes.

Quanto ao pseudo cmt geral, pela sua última entrevista comprova o que ja falei sobre esse dito cujo.
Euler tenha vergonha na cara. Vc deveria se portar como Cmt da PM do Estado e não como um bajulão qualquer da PM de Governador.

É triste ver a nossa Briosa entregue a um puxa-saco de um governante socialista.

Euler vc envergonha a PMPB, envergonha seus colegas de turma, envergonha seu pai, o brilhante Cel. Marcilio Pio Chaves e seu irmão o dinâmico Cel Kelson. Vc envergonha a sociedade paraibana sendo bajulador de um criminoso, o RC e bajulador de sua extensão, o JA.

Seja um Cmt de verdade. Esteja ao lado da trooa, prestigie os veteranos que deram tudo pela Corporação!”

A debaixo do coronel Rubens Alencar:

“Companheiros. Passei por vários Cmts. Cada um com suas peculiaridades de comandar. Porém na hora de lutar por melhoras para PM, a linha de ação era unica; o bem da tropa. Não tinha distinção de ativa e reformados.

Foram leais aos governadores porém não submissos como o atual.

É lamentável o que estamos passando atualmente. E mais triste com o aval do pior cmt geral para os reformados, CEL Euler.

É triste ouvir do Cmt Geral, que o aumento de 5% foi bom! Isto depois de 9 anos sem aumento.

É triste muito triste”.

Nem tudo são flores para o coronel