Hospital do Valentina aperfeiçoa a classificação de risco na unidade

8574 - Formato 1
8574 - Formato 1
8574 - Formato 1
8574 - Formato 1
8574 - Formato 1
8574 - Formato 1
8574 - Formato 1
8574 - Formato 1
8574 - Formato 1
8574 - Formato 1

O Hospital Municipal do Valentina (HMV), referência na assistência pediátrica, está aperfeiçoando o atendimento na classificação de risco dos pacientes. Para melhorar o acolhimento aos seus usuários, a unidade hospitalar está realizando um treinamento com os enfermeiros e toda a equipe da porta de entrada do serviço. A qualificação será concluída nesta quinta-feira (18), a partir das 14h, com a entrega dos certificados aos profissionais participantes e uma apresentação geral do protocolo de classificação de risco utilizado na unidade.

De acordo com a diretora-geral do HMV. Tânia Menezes, o objetivo é padronizar o atendimento oferecido pela equipe no acolhimento e classificação de risco, visando humanização e maior resolutividade na assistência prestada às crianças e adolescentes, assim como seus acompanhantes. “Nós temos um protocolo de classificação de risco, baseado no Protocolo de Manchester, mas havia pacientes sendo mal classificados e percebemos a necessidade de realizar esse treinamento e atualização da equipe”, observou.

Além dos enfermeiros, estão passando pelo treinamento os técnicos em enfermagem, assistentes sociais, maqueiros, vigilantes e trabalhadores da recepção. “Dessa forma estamos contribuindo para um atendimento mais humanizado, o paciente vai saber em quanto tempo deverá ser atendido e, assim, evoluirmos também para a excelência na qualidade da assistência”, destacou Tânia Menezes.

O protocolo de classificação de risco é um instrumento que possibilita a classificação da prioridade de atendimento por meio de critérios de risco e por uma avaliação direcionada à gravidade ou ao grau de sofrimento dos pacientes, identificando, prontamente, os que estão em situação de urgência e emergência por meio de cores.

“Com a crescente demanda na procura dos serviços de urgência e emergência, observou-se um enorme fluxo de circulação desordenada, tornando-se necessária a reorganização do processo de trabalho na nossa unidade, de forma a atender os diferentes graus de especificidade”, ressaltou Dariele Dutra, coordenadora de enfermagem do setor de urgência do HMV.

A gerente de enfermagem do HMV, Hilda Toscano, explica que o atendimento deve ser realizado conforme os diferentes graus de necessidade ou sofrimento do paciente e não mais de forma impessoal e por ordem de chegada. “Assim podemos diminuir os riscos dessa criança ser atendida tardiamente quando, na verdade, o protocolo demanda um tempo determinado para cada tipo de sintomas e sinais que a criança apresente”, afirmou.

Procedimentos – De acordo com o protocolo utilizado no hospital, o usuário que procurar o serviço de urgência será acolhido pelos funcionários da recepção, realizando abertura de ficha. Logo após é encaminhado ao setor de Classificação de Risco, onde é acolhido pela equipe de enfermagem, que utiliza da escuta qualificada e dos sinais vitais para classificar o usuário.

O tempo de chegada até a consulta de enfermagem deve ser de até 5 minutos. Os pacientes classificados com a cor vermelha (emergência) deverão ser atendidos imediatamente, cor amarela (urgência) deve ser atendido em até 30 minutos, cor verde (urgência menor) em até 120 minutos, e a cor azul (baixa complexidade) pode aguardar até 240 minutos.

HMV – O Hospital do Valentina é referência na assistência pediátrica, realizando atendimento de crianças e adolescentes desde casos de menor complexidade até patologias mais graves, além de receber casos de urgência e emergência pediátrica, com internação para tratamento clínico e terapia intensiva.

Na unidade hospitalar, a população conta com uma equipe multiprofissional, formada por médicos intensivistas, pediatras, anestesiologistas, psiquiatra, otorrinolaringologista, médico regulador, enfermeiros, técnicos em enfermagem, fisioterapeutas, assistentes sociais, psicólogos, farmacêuticos, bioquímicos, odontólogo, nutricionista, entre outros. O hospital possui 70 leitos e realiza uma média de 5 mil atendimentos mensalmente.