Em oito dias, Paraíba registra mais de 6 mil novos casos de Covid-19

Há oito dias, a Paraíba voltou a registrar mais de mil casos diários de contaminação pela Covid-19. A tendência de alta de casos foi mantida durante a semana. Ao todo, o estado registrou 6.212 casos considerando o período estimado, com uma média de 776 novos registros diários. Entre eles, 96 pessoas apresentaram quadros moderados ou leve da doença, necessitando de auxílio hospitalar. No período também ocorreram 15 falecimentos em decorrência do agravamento da Covid-19.

Ontem, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) registrou novos 333 casos de Covid-19, sendo quatro pacientes com o desenvolvimento de quadros moderados ou graves e os demais com quadro leve da doença.

Ainda segundo a pasta, quatro falecimentos foram confirmados. As vítimas são três homens e uma mulher, com idades entre 64 e 90 anos, residentes dos municípios de Santa Rita, com dois casos, Bayeux e Mamanguape. Hipertensão foi a comorbidade mais frequente entre os pacientes falecidos.

Ontem o Centro Estadual de Regulação Hospitalar informou que seis pacientes foram internados nas últimas 24h, entre domingo e a publicação do boletim diário da SES, chegando a 93 pessoas hospitalizadas..

A ocupação total de leitos de UTI (adulto, pediátrico e obstétrico), em todo estado, é de 24%. Já nas enfermarias, a ocupação é de 61%. Na Região Metropolitana de João Pessoa, a taxa de ocupação dos leitos específicos de UTI para adultos chega a 37%. Em Campina Grande, estão ocupados 25%. O Sertão não possui ocupação em UTI.

A Paraíba totaliza 662.092 casos confirmados da doença, que estão distribuídos por todos os 223 municípios. Destes, 470.773 pacientes são considerados recuperados e 10.422 são vítimas fatais.

Para evitar casos graves, a SES orienta a população paraibana que busque a atualização dos esquemas vacinais, com o recebimento de doses de reforço. Até o momento, a Paraíba contabiliza 62,27% do público vacinado com a primeira dose de reforço na população com 12 anos ou mais. Já com relação ao segundo reforço, onde apenas a população acima de 30 anos estão aptas para o recebimento, o estado tem 20,07% de cobertura.

Transcrito do jornal A União