Em agosto a PB assume o protagonismo no NE na implantação do Teste Ampliado do Pezinho e entra na era do diagnóstico atômico molecular

A adoção na rede pública de saúde do Teste do Pezinho Ampliado é uma ação que deverá ser adotada pelo Sistema Único de Saúde em nível nacional. Mas, bem antes da Lei Federal Nº 5043/2020, que amplia o número de doenças detectadas pelo Teste do Pezinho através do SUS, ser sancionada, a Paraíba já tinha sido pioneira no Nordeste com essa ação graças à iniciativa do deputado estadual paraibano Jeová Campos.

Autor do Projeto de Lei, que virou a Lei Nº 11566, e da destinação de 100% de sua emenda impositiva, no valor de R$ 1.132.403,44 milhão, para implantação dos testes, o parlamentar esteve na tarde desta terça-feira (22), na sede do Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen-PB) para conhecer os laboratórios onde serão realizadas as análises dos testes do pezinho ampliado na Paraíba e saber da direção do Lacen quando, efetivamente, os bebês paraibanos poderão contar com essa avaliação laboratorial. Segundo a direção do órgão, o teste estará disponível em agosto. Faltam apenas os últimos ajustes no sistema e no equipamento e ainda a conclusão da segunda etapa de treinamento de pessoal.

 

“Estou encantado com o nível tecnológico que atingimos e com o potencial que tem nosso Lacen. A Paraíba entra na era do diagnóstico atômico molecular, com um equipamento de ponta, que tem a capacidade de fazer 57 possibilidades de diagnóstico de doenças raras e saber que eu contribui, através de meu mandato, para que isso se tornasse realidade, me deixa extremamente realizado e feliz”, afirmou o parlamentar que foi recebido no Lacen pelo diretor Geral, Bergson Vasconcelos, pela diretora Técnica, Dalane Loudal e pela diretora Administrativa, Samanta Alcântara.

 

 

Após breves explicações do processo e etapas de implantação dos testes, o deputado conheceu todas as instalações e laboratórios do Lacen, tendo especial atenção no térreo do prédio destinado, exclusivamente, aos testes de triagem neonatal, e onde estão instalados todos os equipamentos que farão as análises laboratoriais, inclusive, num equipamento denominado ‘Espectrômetro de Massa’, que detém uma tecnologia de ponta só existente no país, na Paraíba e em Brasília. “No mundo todo só existem 86 equipamentos deste que temos aqui e que vai permitir que nosso Estado entre na era do diagnóstico atômico molecular. No Brasil, fora a Paraíba, apenas Brasília dispõe de dois equipamentos deste, um na rede privada e outro no SUS”, disse o diretor do Lacen, Bergson Vasconcelos.

 

O Engenheiro Químico e Farmacêutico, Rafael Kabroski, responsável pela instalação e calibração do equipamento no Lacen, reforça que o ‘Espectrômetro de Massa’ do Laboratório paraibano é o que há de mais moderno no mercado. “Não há uma tecnologia mais avançada que essa em nenhum lugar do mundo. Nosso equipamento é a tecnologia de ponta mais moderna da atualidade”, disse ele, complementando que, atualmente, o equipamento já está em plena condição de funcionamento, faltando apenas alguns ajustes de inclusão de dados da tendência patológica da região e a implantação do sistema pelo Lacen para que se comece a realizar as análises.

 

O diretor do Lacen reforçou, no entanto, que o laboratório muito em breve já estará apto a realizar os testes, com equipamentos de ponta e pessoal capacitado, mas externou sua preocupação com o recolhimento das amostras e treinamento desta cadeia multiprofissional. “Não adianta termos equipamentos modernos, pessoal qualificado para fazer as análises, se o material que nos for enviado não tiver sido coletado dentro das normas e padrões específicos, portanto, teremos, inevitavelmente, que treinar os técnicos e profissionais das unidades responsáveis por essa coleta dentro de um padrão único de recolhimento das amostras, sob pena de todos esses investimentos não surtir o efeito desejado que é a identificação correta das patologias a partir do teste ampliado do pezinho”, disse ele, complementando que já está providenciando um vídeo orientando esses profissionais que ficarão responsáveis por essa coleta nas unidades de saúde.

 

O deputado levantou a questão da importância de não apenas diagnosticar as patologias, mas também fazer o encaminhamento para o tratamento e reiterou seu apoio a essa causa que salva vidas, melhora a qualidade de vida e desafoga o sistema público de saúde. “Como muitas das patologias identificadas logo após o nascimento com o teste ampliado do pezinho podem ser tratadas ou minimizadas de forma precoce, isso reduzirá, no futuro, o impacto no SUS. Lógico que isso é outro ganho, só que a médio e longo prazo. Com o começo dos testes, em agosto, na Paraíba, a gente já sai na frente de outros estados e quem ganha com isso é nossas futuras gerações. Estou muito feliz de ter ajudado a Paraíba a dar esse importante passo”, finalizou o parlamentar.

 

O teste do pezinho ampliado vai tornar possível o diagnóstico precoce de várias patologias, entre elas, a Fenilcetonúria e outras aminoacidopatias, Hipertireoidismo congênito, Hiperplasia Adrenal, Galactosemia, Deficiência de Biotinidase, Toxoplasmose Congênita, Deficiência de G6PD, Fibrose Cística, Anemia Falciforme e outras Hemonoglobinopatias e Leucinos.