Duelos deste sábado definem rivais de Flamengo e Liverpool no Mundial de Clubes

Os adversários de Flamengo e Liverpool no Mundial de Clubes serão conhecidos neste sábado, com os dois duelos das quartas de final da competição, que está sendo realizada em Doha, no Catar. Al Hilal, da Arábia Saudita, e Esperance, da Tunísia, se enfrentam às 11 horas (de Brasília) e definem quem será o rival do time carioca em uma das semifinais, marcada para a terça-feira. Mais tarde, às 14h30, o mexicano Monterrey mede forças com o Al-Sadd, representante local. Deste confronto sairá o oponente do Liverpool, no jogo que está agendado para a quarta-feira. As duas partidas serão no Jassim Bin Hamad Stadium.Campeão asiático, o Al Hilal foi o último time do técnico Jorge Jesus antes de o português assumir o Flamengo e conta com jogadores conhecidos no futebol mundial. O francês Gomis, ex-Lyon, e o italiano Giovinco, ex-Juventus, são as principais apostas do time da Arábia Saudita, que também tem em seu elenco o volante colombiano Cuéllar, que nesta temporada trocou a Gávea pelo clube saudita.

Com investimentos alto dos donos milionários, o Al Hilal, comandado pelo romeno Razvan Lucescu também tem como destaque o brasileiro Carlos Eduardo. O meia está há quatro anos na equipe e a viu se desenvolver com a contratação de jogadores experientes que já jogaram a Copa do Mundo. Um dos que atuou em Mundial é Andre Carillo.

“Estamos felizes de estar aqui e determinados em atingir nossos objetivos. Sabemos que não será fácil, mas vamos trabalhar duro para ir o mais longe possível”, disse ao site da Fifa o atacante que disputou o último Mundial pela seleção do Peru.O tunisiano Esperánce vai disputar o segundo Mundial consecutivo. O atual campeão africano foi eliminado logo na estreia nas outras duas vezes em que disputou o torneio da Fifa. O maior campeão da Tunísia completou cem anos em 2019.

A equipe da África não possui estrelas. O elenco tem como base reservas da seleção local e mais alguns reforços do próprio futebol africano, como argelinos, nigerianos e marfinenses. Logo, é tido como azarão para avançar às semifinais.

RIVAL DO LIVERPOOL – No outro lado da chave, o confronto deve ser mais equilibrado, sem um time que desponta como favorito. O Al-Saad, atual campeão da liga do Catar, e representante local, é a base da seleção nacional, que neste ano ganhou de forma inédita a Copa da Ásia.

A estrela do time catariano está no banco de reservas. É o ex-meia espanhol Xavi, ídolo do Barcelona, e que assumiu o comando da equipe em maio deste ano. Ele quer que seus comandados joguem ao histórico estilo do time catalão, com troca de passes constante e muita posse de bola.Na primeira fase, o Al-Sadd derrotou o modesto Hienghène, da Nova Caledônia, por 3 a 1. O que se pôde ver no duelo foi um domínio absoluto do time do Catar, que, no entanto, apresentou grave deficiência nas finalizações, ao passo que abusou de perder gols e teve de definir o triunfo na prorrogação.

Já o mexicano Monterrey participa pela quarta vez do Mundial e conta com jogadores com passagens por clubes europeus. Um dos destaques é o holandês Janssen, ex-Tottenham. Outros nomes conhecidos são o colombiano Pabón (ex-São Paulo), o lateral Layún e o goleiro Barovero (ex-River Plate).

O capitão é o zagueiro argentino Jose María Basanta. Ele está no clube desde 2008 e, portanto, esteve nas quatro participações do time mexicano no torneio. “Alguns jogadores me perguntam como é (disputar um Mundial) e a primeira coisa que digo é para aproveitar já que não é um campeonato que se disputa todo ano”, disse.Na primeira fase, o Al-Sadd derrotou o modesto Hienghène, da Nova Caledônia, por 3 a 1. O que se pôde ver no duelo foi um domínio absoluto do time do Catar, que, no entanto, apresentou grave deficiência nas finalizações, ao passo que abusou de perder gols e teve de definir o triunfo na prorrogação.

Já o mexicano Monterrey participa pela quarta vez do Mundial e conta com jogadores com passagens por clubes europeus. Um dos destaques é o holandês Janssen, ex-Tottenham. Outros nomes conhecidos são o colombiano Pabón (ex-São Paulo), o lateral Layún e o goleiro Barovero (ex-River Plate).

O capitão é o zagueiro argentino Jose María Basanta. Ele está no clube desde 2008 e, portanto, esteve nas quatro participações do time mexicano no torneio. “Alguns jogadores me perguntam como é (disputar um Mundial) e a primeira coisa que digo é para aproveitar já que não é um campeonato que se disputa todo ano”, disse.