Deputado Cabo Gilberto defende a ida do Grupo da Bengala para envergar o pijama; parlamentar aplaude disposição profilática do Governo

Deixou de ser uma posição dos escalões do Estado mais comprometidos com a legalidade a questão da remessa dos militares que completaram 30 anos de serviço para a reserva, e continuam dependurados em funções nos quartéis, arrolhando a corporação.

Deputado diz que é preciso oxigenar a corporação

Depois de consultar setores da Segurança e da Procuradoria Geral e ouvir deles a disposição para seguir a legislação pertinente às promoções, cujo prazo de 30 anos para a reforma foi estendido até 31 de dezembro por decreto governamental, o Jampa News consultou vozes alternativas e divergentes politicamente do Governo para concluir que o tema é unânime quanto mandar para casa o grupo da bengala entrincheirado no Comando Geral.

Um das vozes críticas da Oposição ao Governo, o Deputado Cabo Gilberto não titubeou em se acostar a defesa do ponto final na farra dos coronéis e mandar definitivamente para o pijama quem atingiu os 30 anos de serviço como reza a Legislação, sendo mais uma voz a defender o que sinaliza o Governo nos bastidores de dar cobro as agregações sem critérios, que estão arrolhando a corporação e impedido a ascensão de jovens oficiais.

Coronel diz que confundir promoção de praça com oficial é terrorismo

Segundo o Deputado, a medida conta com seu apoio porque encerra uma vergonhosa farra de agregações acintosas, que há mais de 10 anos estaria atrofiando a instituição, impregnando de mofo sua estrutura.

Ainda de acordo com o deputado, essa política de agregações indecorosas seria responsável pela estagnação da corporação, onde oficiais na patente de tenente e capitão vegetam há mais de 10 anos no posto sem qualquer perspectiva de promoção, prejudicados pelo arrolhamento no topo, já que 18 coronéis não abandonaram a farda como reza a Legislação.

Meia volta volver

Vozes agourentas

Em relação as vozes agourentas, que se insurgem contra a medida profilática que o Governo pretende tomar nessa quarta-feira e que pode entrar para a história da corporação como o Dia da Faxina, o Deputado diz que a ida desses coronéis para a reserva não implica nem incide na reforma de praças como estão alardeando os arautos da Bengala numa tentativa solerte de jogar praças contra oficiais.

Da mesma forma se posiciona o presidente do Clube dos Oficiais, coronel Francisco, que achou ridícula essa onda de terrorismo que tem por objetivo confundir a tropa e até mesmo o governador. “Não existe essa relação”, afirma o presidente.

Aguarda-se para hoje a reunião da Comissão de Promoção e as medidas para que não haja desvirtuamento dos objetivos de consumar o que pretende o Governo estão sendo tomadas e os membros advertidos para se ater a Legislação pertinente.