Depressão pós-parto atinge 25% das mulheres; Camila defende política de tratamento

Um estudo da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, da Fiocruz, mostra que depressão de mulheres durante e após o parto acomete 25% das mães no Brasil. Neste Janeiro Branco, mês de conscientização e cuidado com a saúde mental, a deputada estadual Camila Toscano (PSDB) propõe um debate mais amplo sobre o tema e defende a implementação da política de diagnóstico e tratamento da depressão pós-parto no sistema de saúde da rede pública e privada estadual.

“Depressão pós-parto é um assunto muito sério e precisa ser debatido, muitas mulheres sofrem com o problema que acaba sendo negligenciado. Nós apresentamos um projeto de lei, vetado pelo Governo do Estado, para estabelecer diretrizes para implantação de política de diagnóstico e tratamento. Vamos transformar a iniciativa em um projeto de indicação”, disse.

A deputada alerta que a depressão pós-parto atinge principalmente as mulheres, mas não é exclusividade delas. Os homens também podem passar pelo problema. Especialistas contam que, para eles, a condição é ainda pior, já que muitos pais não percebem que precisam de ajuda. Nas mulheres, em alguns casos, podem aparecer sintomas da doença, como tristeza, apatia, desalento e rejeição ao bebê, até mesmo durante a gestação.

“Precisamos alertar e discutir o tema para que mais pessoas tenham conhecimento do que está acontecendo e que é preciso procurar ajuda. Por isso, nesse Janeiro Branco precisamos reafirmar a nossa luta no combate à depressão. Na Paraíba, uma Lei (11.388/19) de nossa autoria cria a Política de Diagnóstico e Tratamento da Síndrome da Depressão com o objetivo de detectar a doença ou evidências de que ela possa vir a ocorrer, visando prevenir seu aparecimento”, disse Camila.

A Lei prevê ainda a realização de pesquisas visando ao diagnóstico precoce da depressão e seus distúrbios; evitar ou diminuir as graves complicações para a população decorrentes do desconhecimento acerca da depressão e seus tipos, bem como aglutinar ações e esforços para maximizar seus efeitos benéficos. Números da Pesquisa Nacional de Saúde mostram que a depressão atinge cerca de 5% da população paraibana, o que corresponde a 188 mil pessoas.

Camila também garantiu, na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), a aprovação do projeto de Indicação 420/2020 encaminhado ao Governo do Estado para que seja regulamentada a obrigatoriedade de todos os hospitais estaduais em manter uma equipe especializada multidisciplinar de saúde mental. De acordo com a deputada, a equipe funcionará de forma articulada com a Rede de Atenção às Urgências e Emergências, em especial junto ao Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU).

Ajuda – A indicação dos especialistas é, no caso de apresentar alguns dos sintomas, procurar uma unidade de saúde e começar o tratamento especializado. O SUS oferece tratamento gratuito e atenção completa para as mães que passam pela depressão pós-parto. Vale lembrar que mulheres com doenças psiquiátricas prévias em gestações não planejadas ou em situação social de risco podem ser mais vulneráveis à doença.