Conselho Universitário da UFPB repudia nomeação de Valdiney Gouveia como reitor e defende ‘escolha democrática’

O Conselho Universitário (Consuni) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) emitiu nota, nesta segunda-feira (9), repudiando a nomeação do professor Valdiney Gouveia como reitor da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). O Conselho ressaltou a defesa pela ‘democracia e autonomia universitária’.

“Essa decisão rompe com uma longa tradição, construída ao longo de décadas, que é o respeito a escolha democrática da comunidade universitária e a garantia da nomeação da candidatura mais votada, mesmo por governos de diferentes espectros políticos”, diz a nota.

O Consuni se reuniu nesta segunda-feira, ocasião em que entidades representativas da Comunidade Universitária, como ADUFPB, SINTESP e DCE, ocuparam espaços cobrando posição contra a nomeação de Valdiney.

Leia a nota:

“O Conselho Universitário (CONSUNI) da UFPB, representando a vontade de sua comunidade universitária, e com fundamento nos princípios constitucionais da gestão democrática, da liberdade de cátedra e do pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, já reconhecidos e consolidados pelo Supremo Tribunal Federal, repudia a nomeação, pelo Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, para o cargo máximo desta instituição de uma candidatura que não foi escolhida pela comunidade universitária. A chapa encabeçada pelo Prof. Valdiney Gouveia teve pouco mais de 5% dos votos na consulta pública, ficando na terceira e última colocação, e no colegiado eleitoral, composto pelos três conselhos superiores desta Universidade, não obteve um único voto.

Mais do que a defesa de uma candidatura específica, o que move este CONSUNI é a defesa dos preceitos de democracia e autonomia universitária, nos termos do artigo 207 da Constituição Federal.

Essa decisão rompe com uma longa tradição, construída ao longo de décadas, que é o respeito a escolha democrática da comunidade universitária e a garantia da nomeação da candidatura mais votada, mesmo por governos de diferentes espectros políticos. Esta atitude, mais do que respeitar a posição expressa pela maioria dos integrantes da instituição, tem por princípio o reconhecimento da importância de termos uma reitoria com efetivo papel de liderança acadêmica, administrativa e política reconhecida pelos membros da própria Universidade, o que aufere legitimidade para sua atuação, justamente nesses tempos difíceis que atravessamos.”

Assessoria