Com discrição e eficiência, Jean Nunes vem mudando a paisagem de violência no estado; Catolé do Rocha completa 30 dias sem homicídios

Enfim, algo inteligente e articulado no Governo de João Azevedo, em particular na Segurança Pública, terreiro onde o exibicionismo medrava em abundância e muita gente passou muito tempo puxando brasa para sua sardinha, apesar dos resultados pífios, e da maquiagem grotesca que desbotava ao contato com a realidade das ruas, onde os números, produzidos a marteladas de estatísticas, confrontavam-se com a brutalidade do cotidiano.

Eficiência e discrição caracterizam o trabalho de Jean Nunes

Deixando de lado a pirotecnia, os efeitos especiais, e outros requintes de maquiagem que buscavam descaradamente mostrar um desempenho que a inoperância não permitia, o secretário Jean Nunes, com sua discrição peculiar, vem ajeitando a casa, apesar dos monturos que ainda resistem e persistem e que a vassoura de João não tem disposição para varrer, não se sabe ainda as razões para tanta incúria.

Com um trabalho apoiado na Inteligência da pasta e com uma coordenação bem orquestrada junto a órgãos como o Ministério Público, e forças de segurança de estados vizinhos – como o Rio Grande do Norte -, o secretário determinou uma força tarefa composta por forças especiais das Polícias, Civil e Polícia Militar, para áreas críticas como Catolé do Rocha e os resultados surgiram a galope com prisões realizadas, quadrilhas desbaratadas., enfim, a ordem pública restabelecida.

Cenas de violência como esta deixaram de ser frequentes em Catolé

Este trabalho resultou, até o último dia 21 deste mês de julho, em nenhum homicídio na região conturbada de Catolé de Rocha, onde rixas de família pelo controle do tráfico incendiava a região de fronteira, completando 30 dias sem a violência contumaz.

Cenário construído como resultado de planejamento racional, destituído de adereços, cujo intuito servia apenas a vaidade de alguns espertalhões, acostumados ao picadeiro de onde iludiam os crédulos e se mantinham atentos aos desejos, nada republicanos, do dono do circo hoje enfrentando sérias dificuldades junto ao mundo jurídico, quase esquecido por quem vivia a lhe beijar os pés.

Planejamento e coordenação reduziram os índices de violência na região de Catolé

É alentador deparar-se com esses resultados quando se sabe o ambiente de tocaia e escaramuças montado no setor de segurança para se atingir objetivos que a vilania inspira alimentando o sonho de promoção de certas víboras, tudo indica, abortados pela vigilância atenta do secretário Jean Nunes.

De acordo com texto produzido pela Secom, “A Segurança contabiliza, nesta terça-feira (21), um mês sem a ocorrência de homicídios na cidade de Catolé do Rocha, sertão do Estado. A data marca 30 dias da atuação de uma força-tarefa voltada ao combate de crimes contra a vida na região e do reforço de ações de prevenção qualificada à violência.

No mesmo período, seis pessoas suspeitas de integrar grupos criminosos responsáveis pela prática de assassinatos no município foram presas”.

De acordo com o delegado Sylvio Rabello, da 3ª Superintendência de Polícia Civil, a força-tarefa passou a atuar em Catolé do Rocha no dia 21 de junho, logo após a ocorrência de cinco homicídios no dia anterior. “Ela é composta por policiais civis das Delegacias de Roubos e Furtos de Patos, de Campina Grande, da superintendência de Campina Grande (2ª SRPC), da superintendência de João Pessoa (1ª SRPC), do Grupo de Operações Especiais (GOE), Grupos Táticos Especiais (GTEs) do sertão e outras unidades policiais da 3ª Área Integrada de Segurança Pública. As equipes estão distribuídas para investigações, levantamento dos crimes ocorridos nos últimos quatro meses, especialmente, representações por prisões, buscas e apreensões e conclusão de inquéritos”, explicou, acrescentando que as seis prisões de suspeitos foram realizadas em Catolé do Rocha, Pombal e também em São Paulo, em uma ação integrada com a Polícia Civil daquele estado.

O comandante do Policiamento Regional II, coronel Campos, disse que a Polícia Militar, além do reforço do efetivo, adotou uma estratégia que conta com operações diariamente. “Estamos atuando diariamente com operações ocupando os bairros, principalmente o Tancredo Neves e Santa Clara, que tiveram maiores incidências criminais. As operações Alvorada, Pôr do Sol, Cidade Segura e Saturação fazem parte dessa rotina, além da Impacto, que na última sexta-feira contou com 33 viaturas dentro de Catolé do Rocha. O reforço tem a atuação da Força Regional, Força Tática, Batalhão de Operações Especiais (Bope), Batalhão Especializado em Policiamento com Motocicletas (BEPMotos) e a Cavalaria. Cabe destacar também as operações repressivas, que realizamos de forma integrada e que resultaram em prisões importantes de envolvidos no tráfico e homicídios na região”, destacou.

Motivação dos crimes – Segundo as investigações, os grupos criminosos responsáveis pela prática de homicídios em Catolé do Rocha são ligados ao tráfico de drogas e disputas de territórios, e seus integrantes, em parte, oriundos do Sistema Penitenciário. “A partir dessa disputa, eles começaram a agir também envolvendo família e amigos dos que fazem parte dos bandos. O trabalho integrado da Polícia Civil, Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar em ações desenvolvidas na cidade tem refletido de forma direta nos resultados, que apontam para uma diminuição da violência na região”, ressalta Rabello. Durante a ação das forças de segurança, além das prisões, também foram apreendidas armas de fogo utilizadas para as práticas dos homicídios.

Sem estardalhaço e sem fricotes, o secretário vem dando conta da missão.

Atualizado às 14:20