Clima de disputa pela presidência da CMJP ainda agita os bastidores da Casa

Apesar do acordo de cavalheiros, que resultou na antecipação da Mesa Diretora para os dois biênios, encabeçados por Dinho e Bruno Farias, o clima nos bastidores ainda é de disputa e de vaca desconhecer bezerro tal a intensidade, perto das erupções devastadoras, que podem ocorrer a qualquer momento levando para as calendas a harmonia tão almejada pelo prefeito Cícero Lucena, homem de caráter conciliador e que sonha com um perfil semelhante ao seu na condução da Casa de Napoleão Laureano.

A divulgada mesa, dividida entre Dinho e Bruno, parece mais aqueles biombos, usados para resguardar a intimidade dos ambientes, mas que não se tem mostrado suficiente par encobrir os rosnados e grunhidos de insatisfação que varrem os corredores do parlamento municipal.

O presidente da Casa, João Corujinha, mesmo com o MP de Contas nos seus calcanhares e ações populares denunciando irregularidades supostamente cometidas para garantir apoios a sua postulação de permanecer como presidente, não recolheu as armas e insiste ignorar o acordo que parece ter sido selad0 para dar folego as conversações, que inflamam os bastidores e prenunciam desfechos inesperados, caso o bom senso e o equilíbrio não retomem o controle da situação.

Por mais que o prefeito eleito tenha se mantido à margem dos acontecimentos e tenha sugerido um perfil que se assemelhe ao seu para que a independência entre os Poderes seja mantida de forma harmônica, a guerra de interesses não tem respeitado esse desejo de Cícero Lucena, e a Casa de Napoleão virou uma rinha.