Clima de campanha para 2022 já estabelecido e as pedras do tabuleiro em movimentação

São muito os fatores que indicam a intensa movimentação nos bastidores visando as eleições de 2022, quando será disputada a cadeira de governador. Dizem que, para um bom entendedor meia palavra basta, e as muitas manifestações politicas surgidas logo após encerradas as apurações que delinearam o baixo relevo político do estado, sinalizam para as futuras alianças, que podem ou não prosperar de acordo com as acomodações das placas tectônicas da geologia politica paraibana.

Esses dois trabalham em silêncio e na sombra

Em Campina Grande, um dos postulantes – o mais açodado -, Romero Rodrigues, age rápido para colocar panos quentes nos hematomas provocados nos Ribeiros, depois que declarou apoio ostensivo ao candidato do MDB, na capital, Nilvan Ferreira, derrotado por Cícero Lucena, vitória que reforça e amplia o poderio politico  do antigo grupo da Várzea, vivo na descendência dos Ribeiros – Aguinaldo e Daniela.

Romero já esmerou- se em agrados ao patriarca, Enivaldo, a quem foi visitar em São Paulo, e agora derrama elogios ao desempenho parlamentar da Senadora Daniela que, através de emendas garantiu recursos fabulosos para o munícipio.

Romero vem tratando de colocar panos quentes nas relações com os Ribeiro

Com esses agrados e um sortido estoque de lenitivos, Romero acredita repor as coisas nos lugares, junto aos Ribeiro, e consiga de novo águas tranquilas para navegar até o Palácio da Redenção.

Já Veneziano, mais dissimulado, estaria contando com a cumplicidade de Adriano Galdino para sair das sombras onde gosta de atuar e na vaselina ir montando sua candidatura  de emergência já que confidencia na intimidade da família não acreditar que o nome de João Azevedo prospere diante de tantos imprevistos que poderão acontecer até 2022.

Veneziano costura um plano alternativo de Poder e pretende contar com a classe política com a qual acredita ter mais afinidades e segredos do que o Governador ainda iniciando sua caminhada onde ele já é andarilho velho.

“Em uma explícita demonstração de articulação e força política, o presidente da Assembleia Legislativa, Adriano Galdino, reuniu em um espaçoso salão de recepções de Campina Grande, nesta sexta-feira (4), mais de 100 lideranças políticas de várias regiões da Paraíba”.

João não quer nem ouvir falar em sucessão

De acordo com Adriano, a reunião teve como objetivo reunir prefeitos, vice-prefeitos e vereadores para dialogar e aproximá-los do senador Veneziano Vital, para a obtenção de emenda que vão beneficiar os municípios.

Manifestações desse teor devem deixar os estrategistas do Governo de orelha de pé – e nervos tensos -, porque prenunciam tempestades.

Já Azevedo em entrevista recente vai tangenciando o assunto de sua sucessão para não desviar o foco da gestão. Para ele prioridade diante de tantos desafios, o maior: a recuperação da economia do estado, seguido das medidas de contenção da pandemia, ameaçando recrudescer.

João não demonstra nenhum apetite para antecipar a campanha de 2022, e deixa isso claro ao dizer que as alianças não podem nem devem ser interrompidas logo após a manifestação das urnas. Ele acredita na duração da aliança com o PP, dos Ribeiros, e numa gestão de parceria e afinidade com Cícero Lucena.

“É evidente que o cenário de 2020 projeta e pode vir a acontecer em 2022, no entanto, não é o meu foco nesse momento 2022, da mesma forma maneira que no início desse ano meu foco foi o combate a covid e ele permanece até que tenhamos preparado o estado até que se tenha uma campanha de vacinação e que a gente possa voltar ao novo normal o meu foco será ainda administrativo e voltando agora muito forte para a gestão da saúde e na retomada da economia do estado”, argumentou o governador.