CG estabiliza curva de contaminação por coronavírus, diz secretário

O secretário de Saúde de Campina Grande, Filipe Reul, disse nesta sexta-feira (10) que a cidade estabilizou a curva de contaminação do coronavírus, o que é chamado de “platô”. A conclusão do gestor parte de levantamentos feitos na Unidade de Pronto Atendimento Dr. Maia (UPA 24h), referência para Covid-19 na cidade.

 

Segundo dados da Secretaria de Estado da Saúde (SES), Campina Grande tinha até a tarde desta sexta (10) 7.775 casos de coronavírus, com 147 mortes

“Atingimos o platô da doença em Campina Grande. Espera-se que os casos comecem a cair na cidade. Além disso, os pacientes que têm procurado a UPA apresentam os primeiros sintomas da doença ainda em grau leve. O tempo de permanência tem diminuído na rede de hospitais da cidade. A taxa de ocupação de leitos de UTI está abaixo de 50%”, informou.

Segundo Reul, as últimas flexibilizações nas atividades comerciais de Campina Grande não trouxeram mudanças substanciais no quadro epidemiológico. Ele falou ainda que o fluxo de passageiros no transporte público urbano por ônibus (monitorado pela Superintendência de Trânsito e Transporte Público – STTP), tampouco alterou a qualidade do atendimento UPA Dr. Maia.

A capacidade da UPA é de até 4.900 atendimentos por semana. Segundo a Secretaria, até agora, o máximo de público atingido tem se mantido em torno de 50% da capacidade instalada e dos recursos humanos disponíveis.

“Para corroborar a tese de que a flexibilização em Campina Grande está sendo feita de forma segura, deve-se considerar que a cidade não atingiu o número de 8 mortes diárias por milhão de habitantes, conforme orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS)”, disse Reul.

Segundo dados mais atualizados da Secretaria de Estado da Saúde (SES), Campina Grande tinha até a tarde desta sexta (10) 7.775 casos de coronavírus, com 147 mortes.